corrupçãoeconomiaImprensaNotícias

Herança maldita: era PT deixa infraestrutura em frangalhos no país

27-10-14_fabio_rodrigues_pozzebom_dilma_e_lulaOs 13 anos e quatro meses da era PT no comando do país chegaram ao fim e deixaram uma “herança maldita” em todas as áreas da economia brasileira. Uma delas é a infraestrutura, cujas concessões, PPPs e obras públicas realizadas nos governos da presidente afastada Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentam problemas graves que precisam ser rapidamente solucionadas para que não se transformem em verdadeiros “elefantes brancos” pelo Brasil afora.

“A marca do governo do PT foi do malfeito, destruiu o estado brasileiro praticamente, desequilibrou as contas públicas, o Brasil está extremamente endividado e a maioria das obras ou estão paralisadas ou incompletas ou até mesmo não iniciadas por conta de uma visão preconceituosa em relação às parcerias público-privadas”, critica o deputado federal Betinho Gomes (PSDB-PE).

De acordo com matéria do jornal Folha de S.Paulo desta quinta-feira (12), o caso das rodovias é o que mais chama a atenção, já que as maiores construtoras do país estão envolvidas em casos de corrupção nos governos petistas – investigadas pela Operação Lava Jato. Das seis concessões feitas em 2013, uma já está praticamente abandonada: a BR-153, que liga Goiás a Tocantins. As outras cinco enfrentam falta de liberação de financiamentos do BNDES ou de licenças dos órgãos públicos.

Além disso, entraves em concessões de rodovias de 2007 ainda persistem e a maioria das empresas não concluiu um programa de obras que deveria ter ficado pronto em 2014. Já nas ferrovias, a única pronta em 13 anos de governo petista foi a Norte-Sul, entre Tocantins e Goiás, mas desde sua inauguração, em 2014, apenas um trem com carga passou por lá. Assim como nas rodovias, os portos enfrentam dificuldades de financiamentos e licenças, como o tão propagado Porto Sul, na Bahia, que se arrasta há anos e nunca saiu do papel.

Segundo a Folha, outro imbróglio é o setor aeroportuário. Vários aeroportos não ficaram prontos nem para a Copa da Mundo e outros recém privatizados também já vivem sua primeira crise e as empresas dizem não ter recursos para pagar o aluguel anual previsto. Para o tucano, os diversos problemas na infraestrutura também se devem à visão preconceituosa do governo petista em relação às PPPs e concessões.

Betinho Gomes defende uma estrutura específica dentro do governo federal, como anunciado pelo presidente em exercício, Michel Temer, para tratar especialmente desse setor. “Tanto é que fizeram meio que envergonhadamente, que não conseguiram deslanchar nenhuma concessão no ritmo que o Brasil precisava e isso representou, naturalmente, perda de tempo e de investimentos. A expectativa é o que o novo governo tenha a capacidade de gerar confiança, abrir um diálogo com os investidores para que eles possam ter segurança jurídica e retorno financeiro de maneira que se invista na infraestrutura do país, o que vai gerar mais negócios e empregos e retorno para a sociedade”, afirmou.