ImprensaNotícias

Novo trecho de gravações comprova que nomeação para Casa Civil foi planejada para blindar Lula

Rui Falcao foto Fabio Pozzebom ABrUm novo trecho de uma gravação telefônica realizada pela operação Lava Jato, feita com a autorização da Justiça, revela um diálogo entre o presidente do PT, Rui Falcão, e o ex-ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, em que fica comprovada que a nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva para o ministério foi planejada para beneficiar o ex-presidente com o foro privilegiado e para protegê-lo de uma possível prisão.

De acordo com reportagem veiculada nesta sexta-feira (18) pelo jornal Bom dia Brasil da TV Globo, a ligação é de 10 de março, dia em que foi divulgado que promotores do Ministério Público de São Paulo pediram a prisão do ex-presidente Lula no caso do triplex no Guarujá.

Durante a conversa, o presidente do PT cobra de Wagner uma atitude do governo e já esquematiza a nomeação de Lula para o cargo de ministro-chefe.

Rui Falcão pergunta para Jaques Wagner o que aconteceria se Lula “fosse nomeado hoje” [10 de março]. Wagner responde perguntando se o petista já aceitou o convite para ser ministro. O presidente do PT diz que não, mas que todos estavam “pressionando” para que ele aceitasse logo, inclusive o prefeito de São Paulo Fernando Haddad e todo o movimento sindical. Falcão completa dizendo que a presidente Dilma deve ser alertada e que de tomar uma “decisão de Estado-Maior”.

Para o deputado federal e membro da comissão do impeachment Paulo Abi Ackel (PSDB-MG), a gravação comprova a intenção de proteger o petista com a nomeação para a Casa Civil.  “A intenção de blindá-lo já está clara na opinião de 10 entre 10 brasileiros. Temeroso com a decretação da prisão, Lula se protegeu com foro privilegiado. O diálogo indica que eles estavam claramente planejando uma defesa para o presidente que estava sendo investigado. As gravações confirmam isso”, disse.

Abi Ackel observa a “confusão” feita pelo PT a respeito do papel das instituições. “Fica claro a enorme confusão que o governo e o Partido dos Trabalhadores fazem em relação aos seus objetivos. Eles confundem coisa pública, Estado brasileiro e partido político. Ao ver Rui Falcão pedindo uma providência do governo para proteger Lula, isso demonstra nitidamente que eles perderam o senso do que é Estado democrático de direito”, afirmou.

O parlamentar conclui dizendo que o PT se embaraça na relação institucional e partidária.