ArtigosImprensa

21 de setembro – Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. O que temos para comemorarmos esse dia?

547614_318264291573508_1674165345_nDia 21 de setembro, celebramos o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, um marco de 45,6 milhões de pessoas com deficiência que vivem hoje em nosso país.

Embora a última década represente importantes avanços, ainda nos deparamos com atrasos latentes no que diz respeito à acessibilidade no dia a dia de muitos cidadãos com deficiência. O Brasil possui uma das mais completas legislações que preconiza os nossos direitos, mas, ainda assim, tem gente que não pode sair de casa.

A falta de acesso ainda fere a dignidade de muitos moradores com deficiência das nossas cidades. A ausência de planejamento em mobilidade urbana dos nossos municípios impede muita gente de sair de casa, utilizar transporte público, frequentar pontos de lazer da cidade, ir à escola, trabalhar, cuidar da saúde. Ter autonomia. Dignidade.

Se em São Paulo, a mais importante cidade do Brasil, a pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida ainda passa por dificuldades de acesso – principalmente nas periferias, o que esperar de lugares mais longínquos, que pouco (ou nada) se investe em calçadas acessíveis ou transporte adaptado? Como estão os moradores com deficiência destes lugares? Que acesso têm para sair às ruas hoje e gritar pelo seu dia?

Atualmente, grande parte da população com deficiência já participa de ações na sociedade. Essas pessoas estão dispostas a lutar por seus direitos em entidades, grupos formados na internet e mesmo na política – como esta que vós fala – mas a falta de acessibilidade ainda é um impeditivo para que estas pessoas se estimulem a produzir cada vez mais.

Uma nação que adota políticas públicas que abraçam a diversidade humana não está beneficiando apenas um grupo, está contemplando o respeito às diferenças. O valor da igualdade de direitos.

Uma cidade projetada para atender cadeirantes e cegos é apta para receber idosos. Um ônibus acessível para obesos será para uma pessoa com mobilidade reduzida. A criança que convive com outra com deficiência será no futuro um adulto mais consciente e saberá não só respeitar, como valorizar a diversidade humana.

É este ciclo que hoje faz parte de metrópoles desenvolvidas. O do cidadão com deficiência estimulando o respeito às antigas gerações, sem deixar de se preocupar em atender bem as futuras. Londres, sede dos jogos paraolímpicos, já fulgurava entre uma das cidades mais acessíveis do mundo, hoje, criou um legado de respeito à diversidade humana, que, inevitavelmente, fará parte do olhar e pensamento dos londrinos. E nós também teremos esse desafio a enfrentar.

O Brasil terá de planejar cidades acessíveis para sediar a Copa, as Olimpíadas e as Paraolimpíadas, quando receberá centenas de turistas e atletas com deficiência. Será a nossa chance de criar nosso legado de respeito e cidadania.

A diferença entre uma nação desenvolvida está exatamente neste olhar. Neste Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, vamos praticar nosso olhar para o ser humano e suas diferentes necessidades e belezas. Olhe para as pessoas, para nossas cidades e pense em como integrá-las. Os resultados também afetarão você, tornando–o um cidadão muito mais consciente e humano.

Nailde Silva – (42 anos, cadeirante, mãe, cidadã)