ImprensaNotíciasPSDB

Programa paranaense de incentivo ao esporte chega a 1.500 atletas

TOP 16

Paraná – Promessa brasileira para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, a curitibana Ethiene Franco, de 21 anos, é uma das estrelas paranaenses em ginástica artística. Ela está entre os atletas beneficiados pelo programa Talento Olímpico do Paraná (TOP), lançado pelo governador Beto Richa em 2011 para incentivar a prática esportiva e formar atletas de alta performance.

Há dois anos, Ethiene recebe uma bolsa de R$ 1.500,00 mensais para se preparar exclusivamente para a olimpíada. “A bolsa é um estímulo para continuarmos treinando. É sinal de que o governo está investindo em seus atletas”, afirma Ethiene, que está na categoria TOP Internacional.

O que começou como um projeto experimental tornou-se o maior programa de incentivo ao esporte da história do Paraná e a principal porta de entrada para grandes atletas. Criado há dois anos e meio, o Talento Olímpico do Paraná fornece bolsas para as mais diversas modalidades e categorias. São cinco tipos de bolsas, com valores que vão de R$ 150,00 a R$ 1.500,00 por mês.

“Nosso objetivo é valorizar a prática esportiva, despertar e formar talentos”, afirma o governador Beto Richa. “Há muitos talentos escondidos e é preciso dar a esses jovens a oportunidade de desenvolvimento. Atletas de destaque são riquezas, que valorizam a sociedade”, diz Richa.

O Paraná é um dos únicos estados brasileiros que possui uma bolsa de remuneração para atletas. Em 2011, quando foi criado o TOP, foram concedidas 250 bolsas. No ano passado, o número de beneficiados chegou a mil e, neste ano, a previsão é alcançar mais de 1.500 atletas e técnicos.

Investimento – O investimento deve chegar a R$ 10 milhões – recursos do próprio Governo do Estado, Copel, Sanepar, empresas privadas (por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, do Ministério do Esporte) e apoio da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e Serviço Social da Indústria (Sesi-PR).

“Queremos tornar o Paraná referência no esporte brasileiro. A intenção é incentivar, desenvolver e manter os atletas treinando no Estado”, afirma o secretário do Esporte, Evandro Rogério Roman.

O grande diferencial do Talento Olímpico do Paraná é sua amplitude. Comparado a outros programas estaduais de incentivo – que possuem apenas três categorias (estadual, nacional e internacional) – o TOP do Paraná atua, também, na formação do jovem atleta. São cinco categorias: formador, escolar, estadual, nacional, internacional e técnico. Além disso, o programa beneficia, também, para-atletas. Em 2012 foi incluída a categoria TOP Técnico.

TOP 16Incentivos – Ginasta desde os oito anos de idade, Ethiene Franco já participou das Olimpíadas de Pequim, em 2008, e de Londres, em 2012, além de dois mundiais de ginástica artística, e conta que já viu muitos abandonarem a prática por falta de incentivos. “Os jovens abandonam o esporte por falta de renda, pois precisam trabalhar, se sustentar e ajudar no sustento da família”, diz ela.

Ethiene explica que o dinheiro do TOP custeia, principalmente, gastos com médicos, fisioterapia, materiais esportivos, como roupas, tênis, equipamentos, e custos com viagens, o que muitas famílias não têm condições de bancar. A atleta treina diariamente no complexo da Secretaria do Esporte, em Curitiba, junto com diversas garotas que sonham em participar de uma olimpíada.

“Espero representar o Paraná”, diz a pequena Caroline Mercer, de 13 anos, uma das promessas brasileiras na ginástica olímpica, cotada para representar o país em 2020. Caroline é TOP Nacional e recebe R$ 1.000,00 por mês do Governo do Paraná. Com o auxílio, a família pode manter os gastos de Caroline com os treinos.

“Esta bolsa é de suma importância, pois garante mais tranquilidade às atletas, para que possam se desenvolver concentradas apenas no treinamento”, aponta Roni Ferreira, técnico da equipe de ginástica olímpica. Ele explica que o dinheiro ajuda, também, na suplementação alimentar que os atletas fazem. “É um exemplo a ser seguido por outros estados”, disse. Em outros lugares, o único incentivo tem sido o Bolsa Atleta, do governo federal.

Formador de atletas – A categoria Formador, como o próprio nome diz, é destinada a atletas amadores, de até 14 anos, que estão iniciando a carreira. Eles recebem R$ 150, 00 por mês. “Ajuda principalmente para poder comprar os materiais para treinar, e custos com viagens”, contou Gabrielli Santos, de 14 anos. Gabrielli pratica atletismo há oito anos e desde 2012 recebe bolsa do Governo do Estado. A jovem foi medalha de bronze nos 100 metros, na Paranaense Menor, da Confederação Brasileira de Atletismo.

Daniele Hipólito – Atleta brasileira de destaque, Daniele Hipólito atualmente compartilha espaço no centro de treinamentos da Secretaria Estadual do Esporte com as meninas que iniciam a caminhada como promessas paranaenses.

“O programa é um incentivo que o atleta tem para começar sua carreira, porque a gente abre mão de tudo, o esporte é o nosso trabalho”, afirma Daniele. “A bolsa é um incentivo a mais e é importante principalmente para os que estão começando”, afirma ela. Daniele lembra que quando começou a treinar não existiam bolsas como o TOP. “E ainda hoje são poucos os estados que têm bolsas próprias”.

Paradesportivo – Outro diferencial do programa é atender para-atletas. O valor da bolsa também varia de acordo com a categoria. Maxiel Rodrigues Ukracheski, de 14 anos, tem paralisia cerebral e treina atletismo. Desde 2011, ele recebe R$ 150,00 como TOP formador.

“Consegui comprar roupas e tênis, quase tudo o que eu precisava. Não pretendo parar agora, pretendo avançar mais e mais”. No brasileiro de 2012, Maxiel ganhou medalha de ouro nos 1.000, 300 e 100 metros.

Técnicos – Em 2012 foi incluída também a categoria TOP Técnico. Foram concedidas 80 bolsas de R$ 850 mensais para técnicos das mais diversas modalidades esportivas, incluindo dez que se dediquem a modalidades paraolímpicas.

“Somos os formadores dos atletas que representarão o Brasil. O TOP do Paraná é uma maneira de incentivar nosso trabalho. É importante porque também temos gastos com viagens, entre outras coisas”, afirma Elmar Paulo, técnico de atletismo beneficiado com a bolsa.

Em 2013 será criada a categoria Olimpo, para atletas que já disputaram uma olimpíada ou paraolimpíada. A bolsa será de R$ 3.000, 00 mensais. “Queremos ampliar e qualificar a base esportiva estadual para um melhor desempenho nas competições esportivas e também minimizar a possibilidade de evasão dos atletas paranaenses para outros centros”, ressaltou Roman.

Do Portal do Governo do Paraná