ImprensaNotícias

Lula fez tráfico de influência para OAS no exterior, diz revista

presidente-lulaBrasília (DF) – O empresário Léo Pinheiro, um dos sócios do grupo OAS, entregou à força-tarefa da Operação Lava Jato detalhes do tráfico de influência praticado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em favor da OAS no exterior em troca das obras no sítio de Atibaia e no tríplex do Guarujá. As informações foram reveladas neste sábado (18) pela revista Istoé.

“A OAS acalentava o desejo de incrementar negócios com o Peru, Chile, Costa Rica, Bolívia, Uruguai e nações africanas. Desenvolto no trânsito com esses países, Lula se prontificou a ajudá-los”, diz a reportagem.

Em meados de 2008, a empreiteira dava início aos trabalhos no mercado internacional. A publicação afirma que boa parte dos 14 escritórios e das 20 obras fora do país foi conquistada graças às articulações do ex-presidente.

Segundo procuradores da Lava Jato, as revelações do empresário “ferem Lula de morte”. Pinheiro pretende provar que o petista é o real proprietário do sítio de Atibaia e do triplex no Guarujá, deixando o ex-presidente a um passo de ser formalmente acusado pelos crimes de ocultação de patrimônio, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

Ainda durante as negociações para o acordo de delação premiada, Pinheiro afirmou que irá detalhar o episódio do aluguel patrocinado pela OAS de 10 contêineres destinados a armazenar o acervo museológico do ex-presidente. A empreiteira teria gasto R$ 1,3 milhão para guardar os objetos retirados do Palácio do Planalto, do Palácio da Alvorada e da Granja do Torto durante a mudança de Lula.

Os itens, então, foram transportados para o sítio em Atibaia. O contrato da OAS com a transportadora Granero custou R$ 21.536,84 por mês durante cinco anos. Segundo apurou a revista, além de confirmar mais um empréstimo a Lula, Pinheiro já disse que as negociações ocorreram quando o petista ainda ocupava a Presidência, em dezembro de 2010.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.