ArtigosImprensaNotícias

‘Dilma acusa “golpistas” de corrupção’, por Eliane Aquino

Presidente diz que lutará pelo cargo para defender “princípio democrático”

Por Eliane Aquino

4b5f3c0d-c23a-474f-8576-e85e34cd4511

Arquivo/Fotos Públicas

Dilma e seu marqueteiro João Santana, preso por corrupção

A presidente Dilma continua falando à imprensa estrangeira que o Brasil está ameaçado de sofrer um golpe, para explicar o seu processo de impeachment que tramita hoje no Senado Federal. Ontem, o canal norte-americano CNN divulgou entrevista com a petista onde ela garante que continuará lutando para se manter no cargo, não pelo mandato, diz ela, mas por “princípio democrático”.

“Vou lutar para sobreviver, não por causa do meu mandato, mas porque o que estou defendendo é o princípio democrático. Quem quer meu impeachment, os líderes do impeachment têm denúncia e processos de corrupção”, disse a presidente Dilma à CNN.

Vejam, só.

A petista esqueceu-se de citar que denunciados, investigados e até condenados por corrupção, tem de sobra no partido dela, o PT. Omitiu o mensalão, o petrolão e o processo que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra ela e o seu vice Michel Temer por possível crime eleitoral, com dinheiro da corrupção da Petrobras na campanha deles em 2014.

Também não falou sobre seu padrinho e líder político, Luiz Inácio Lula da silva, enrolado em denúncias de ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro.

Nem que o líder do seu governo, recentemente, senador Delcídio do Amaral, foi preso em flagrante tentando obstruir investigações da Lava Jato, que apura exatamente a propina com dinheiro de corrupção da Petrobras.

Ou que boa parte de seus aliados na Câmara dos Deputados e Senado também compõe como investigados e denunciados por corrupção.

A lista no governo, PT, e relações próximas à presidente de pessoas envolvidas na mesma corrupção que ela aponta em seus adversários, é grande.

Portanto, essa tese não tem força nenhuma de apelo político.

O governo pode até continuar com o mantra do golpe à democracia, mas o que tem ferido mesmo e gravemente a democracia brasileira é a corrupção, e nesse crime contra a ética pública o PT tem digitais claras.

A propósito, o PT e o governo têm entoado outra cantiga nos últimos dias.

Dizem que após o impeachment da presidente Dilma a Lava Jato será encerrada. Ontem, na Comissão Especial que analisa o impeachment no Senado, coube à senadora Gleisi Hoffmann sugerir essa versão.

Lamentável essa prática.

Ir à contramão dos fatos não ajudará Dilma a sobreviver, nem mesmo apelando a outras nações.

*Eliane Aquino é do PSDB Mulher de Alagoas

** Publicado originalmente no site cadaminuto.com.br