economiaImprensaNotícias

Déficit primário de R$ 7,9 bilhões registrado pelo governo em março é o pior desde 1997

dinheiroBrasília (DF) – A pior recessão econômica que acomete o Brasil desde 1930 parece não ter data para acabar, já que o governo não consegue equilibrar as contas públicas e continua gastando mais do que a receita permite. Em março deste ano, o déficit primário registrado pelo governo central, que inclui o Tesouro Nacional, a Previdência e o Banco Central, foi de R$ 7,9 bilhões. Esse é o pior resultado para o período desde 1997, início da série histórica do Ministério da Fazenda.

Os dados divulgados pelo Tesouro mostram que os maus resultados serão difíceis de serem corrigidos. Enquanto a receita líquida somou R$ 84,8 bilhões no mês passado, com queda real de 6,4% em relação ao mesmo período de 2015, as despesas aumentaram 4,3%, para R$ 92, 7 bilhões. Segundo reportagem do jornal Correio Braziliense (29/04), só no primeiro trimestre do ano, o rombo acumulado foi de R$ 18,2 bilhões, o equivalente a 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os números continuam negativos mesmo com os dois cortes anunciados nas despesas discricionárias do governo, que somaram R$ 44,6 bilhões. Só nos investimentos, a queda foi de 15%, cerca de R$ 2,5 bilhões.

Para o economista Bruno Lavieri, sócio da 4E Consultoria, o governo não está comprometido em realizar um corte mais duro das despesas. Ele avaliou para o jornal que o discurso fiscal feito pelo ministro da Fazenda Nelson Barbosa “não condiz com a realidade” e “está mais frouxo do que deveria ser”. “Apesar da receita continuar fraca, os gastos continuam aumentando”, criticou.

O descontrole econômico também faz com que a dívida do governo aumente. Só em março deste ano, o valor chegou a R$ 67,2 bilhões, duas vezes o volume de venda de uma das maiores empresas do país, a Ambev, em 2015: R$ 33,8 bilhões. “O governo continua gastando como se a economia estivesse bombando, e isso se traduz em aumento da dívida pública. A elevação do endividamento mostra que não há recursos em caixa para honrar todos compromissos”, completou Alexandre Cabral, da Consultoria NeoValue.