ArtigosImprensa

“17 de abril, o dia que não acabou”, por Adriana Vilela Toledo

Adriana Toledo na EsplanadaVivi o 17 de abril em Brasília, assisti atenta, como a maioria dos brasileiros, o pronunciamento dos Deputados Federais eleitos pelo povo. Meu sentimento foi de tristeza, vergonha e até repulsa. A hipocrisia e o falso moralismo pairavam no ar. Hipocrisia da nossa falsa esquerda que trai os militantes saqueando descaradamente os cofres públicos e alimentando generosamente a corrupção. E também da nossa extrema direita com discursos reacionários e ditatoriais que afrontam os direitos fundamentais conquistados pelos brasileiros.

Do outro lado das paredes do Congresso Nacional, vi um povo muito mais participativo, esperançoso por um Brasil responsável e justo. Povo que surpreendeu a alguns pela pacifidade e paz com que enfrentou as decisões e mostrou o respeito a todos. Tomara que consigam transformar essa esperança em sabedoria na hora do voto.

Estou entre aqueles que continuam defendendo a lisura na vida pública e privada, a seriedade da aplicação do dinheiro público (que é nosso), a punição de TODOS que estejam envolvidos em corrupção. Defendo os procedimentos investigatórios que possam ajudar a aprimorar a nossa jovem democracia. Acredito no equilíbrio das ideias e que tudo deve ser feito dentro da legalidade.
Sigo com a certeza e a consciência tranquila de quem nunca traiu as convicções e a ética. Avante!
#contecomigo

*Adriana Vilela Toledo é Pedagoga, especialista em Administração Pública e Presidente do PSDB Mulher/AL