ImprensaNotícias

PT propõe “pacto nacional” se escapar do impeachment, mas ignora novo governo se for derrotado

Brasília - Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de posse dos novos ministros da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva; da Justiça, Eugênio Aragão; da Secretaria de Aviação Civil, Mauro Lopes e do Chefe de Gabinete Pessoal da Presidenta da República, Jaques Wagner

Brasília - Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de posse dos novos ministros da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva; da Justiça, Eugênio Aragão; da Secretaria de Aviação Civil, Mauro Lopes e do Chefe de Gabinete Pessoal da Presidenta da República, Jaques Wagner

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff declarou nesta quarta-feira (13) que, se ganhar o processo de impeachment no Congresso, vai propor um grande “pacto nacional” com todos os segmentos da sociedade para superar a crise e retomar o crescimento econômico. Ao ser questionada se participaria de um pacto se for derrotada no Congresso, Dilma respondeu que seria “carta fora do baralho”.

O mesmo tom foi adotado pelo ex-presidente Lula, que promete fazer “dura oposição” ao novo governo se Dilma acabar perdendo o seu mandato. Mas promete dialogar com vários setores da sociedade em caso de permanência no Palácio do Planalto. As declarações de ambos demonstram que o PT está disposto a cobrar apoio para manter o mandato de Dilma, mas não pretende ajudar na construção de um novo futuro para o país se estiver fora do governo federal – nem mesmo dialogar com os que classifica de “golpistas” por defenderem o impeachment.

O deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG) criticou as declarações da presidente e afirmou que esse é mais um ato de desespero para salvar o próprio mandato. “A cada momento fica comprovado como essa senhora [Dilma] é despreparada para exercer um cargo tão importante para todos os brasileiros. Numa atitude já de desespero, percebendo que já não consegue sequer um terço do Congresso ao seu lado, ela vem com essa declaração de que, se ganhar, faria a proposta de pacto. É uma proposta de desespero, porque está evidente que ela não terá capacidade de ganhar.”

Para o deputado federal Caio Narcio (PSDB-MG), Dilma já admite ser “carta fora do baralho” e sabe que não tem mais estrutura para governar o país.

“O depoimento da presidente Dilma, eu acho que legitima o sentimento que ela tem hoje, de que realmente ‘o boi roeu as cordas’. Quer dizer, é uma questão vencida. Do ponto de vista da presidente Dilma dizer que, se ela ganhar, ela tem que fazer um pacto nacional, quer dizer, eu acho que de todas as maneiras ela já perdeu. Ela não base, é um governo falido, ela não tem estrutura. E sobre ela dizer que se perder é ‘carta fora do baralho’, eu acho que hoje ela é carta fora do baralho faz tempo. Ela não preside o Brasil há muito tempo.”

A presidente ainda defendeu as políticas do governo do PT adotadas em 2013 e 2014 para conter os efeitos da crise internacional e culpou as pautas-bomba do Congresso pela dificuldade do governo em reagir à crise.