ImprensaNotícias

Mapa do impeachment: oposição anuncia 349 votos a favor do afastamento de Dilma

Foto: Alexssandro Loyola/PSDBnaCâmara

bancada foto Alexssandro LoyolaA quatro dias da votação que pode dar fim a seu governo, a presidente Dilma vem colecionando derrotas. Declarações de apoio ao impeachment chegam por todos os lados: de entidades nacionais a partidos até então ligados à base governista. Lideranças se reuniram na tarde desta quarta-feira (13) para fazer o levantamento dos votos e a previsão é de 349 deputados favoráveis ao impeachment.

“Temos hoje, mais do que garantidos, 349 deputados que declararam que vão votar a favor do impeachment. A presidente descumpriu a Constituição, cometeu crime de responsabilidade, e a consequência é o que estamos vendo no país”, afirmou o líder do PSDB na Câmara, deputado federal Antonio Imbassahy (BA). A análise do relatório favorável à abertura do processo contra a petista começa na sexta-feira (15), às 8h55, e só deve terminar na noite de domingo (17).

A debandada dos partidos tem sido intensa nas últimas horas. Ontem, o PP decidiu que votará a favor do processo. A bancada do PRB também vai se posicionar favorável. Nesta quarta-feira (13), o líder do PSD e presidente da comissão especial, Rogério Rosso (DF), disse que a “ampla maioria” dos deputados da sigla vai votar pelo afastamento.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou nota de apoio ao impeachment. Após ouvir as lideranças e sua base, a instituição considerou que a incapacidade administrativa da presidente afetou diversos setores. “A incapacidade da presidente e do seu governo em solucionar a grave crise econômica que assola o país, com reflexos danosos ao setor transportador brasileiro e empregos”, diz trecho do texto.

NORTE A SUL
O 1º secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), anunciou detalhes da votação. Serão chamados nominalmente os deputados da Região Sul, passando pelas demais até se chegar à Região Norte; dentro de cada estado, a chamada seguirá a ordem alfabética dos nomes dos deputados.

A decisão da Mesa é correta e segue o Regimento Interno da Casa, avaliou o deputado Caio Narcio (PSDB-MG). Para Domingos Sávio (PSDB-MG), a interpretação da norma foi acertada. Segundo ele, a última votação realizada nesse formato começou com o Norte. “Agora é o momento de se fazer iniciando-se pelo Sul até o Norte”, explicou.

CLIMA DE DESESPERO
Da tribuna, Rocha (PSDB-AC) chamou a atenção para o clima de desespero que bateu no PT. “No domingo o Brasil vai iniciar uma nova fase, se livrando da corrupção desses 13 anos da era PT”, afirmou.

O tucano exibiu a foto de um Fiat Elba, veículo que simbolizou a queda de Fernando Collor em 1992. “Só o rombo na Petrobras soma mais de R5 500 bilhões, o que daria para comprar 17 milhões de unidades desse carro”, comparou.

O deputado Artur Virgílio Bisneto (PSDB-AM) disse, em discurso, que não dá mais para o povo brasileiro assistir suas vidas sendo lançadas ao relento para manter um projeto de poder de um partido. Segundo ele, Dilma não tem política pública para tirar o Brasil da inércia. O 1º vice-líder da Minoria desafiou alguém do governo a mostrar quando falaram sobre uma agenda positiva para a nação nos últimos meses.

“Ao contrário, só falam sobre golpe, que impeachment é golpe. Pregam isso para tentar convencer de uma mentira a maioria esmagadora da sociedade que é a favor do processo. Não dá mais para continuar com esse governo. No domingo vou estar esperançoso com o futuro do país. Adeus, a Dilma Rousseff, que tanto mal fez ao país”, disse.

PERÍCIA MÉDICA
Na tentativa de esvaziar o plenário da Câmara no dia da votação, o governo tenta convencer parlamentares a se ausentarem da sessão. Deputados da oposição, no entanto, estão de olho na tática e apresentaram uma questão de ordem pedindo que os ausentes que alegarem problemas de saúde sejam submetidos a exame do Departamento Médico da Casa.

Caso os médicos da Câmara não confirmem os problemas de saúde, a oposição defende que esses deputados respondam a processo de cassação dos seus mandatos por quebra de decoro no Conselho de Ética da Casa, sob alegação de fraude no processo de votação.

Para o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), o controle sobre os ausentes é necessário diante do acovardamento de alguns parlamentares que pensam em não votar. “Isso é um golpe sujo contra o Brasil e os brasileiros. O deputado tem responsabilidade de se posicionar a favor ou contra o impeachment. Incentivar a ausência e estimular o acovardamento das posturas e da presença, do enfrentamento da questão, sem dúvida, é mais uma irresponsabilidade, mais uma demonstração de inconsequência, de ausência de compromisso ético”, afirmou.

Do Portal do PSDB na Câmara