ImprensaNotícias

A virada da sorte

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Brasília (DF) – Os deuses concedem favores desde a Grécia antiga, a homens e mulheres que julgam predestinados a servir a seus irmãos, a modificar para melhor a sociedade em que nasceram.

Luís Inácio Lula da Silva parecia ser um desses bafejados pela sorte que apenas a proteção divina justifica. Saía incólume de todas as enrascadas em que se metia – e foram muitas, tantas, que lhe valeram a fama de invencível. A cada driblada na sorte, crescia a aura de grande negociador, de líder incontestável, de arrebatador de multidões.

Como não costuma ler, Lula não foi alertado pelas tragédias gregas e nunca soube que os deuses, pródigos em favorecer, também costumam retirar seus favores com a mesma rapidez, sempre que constatam que o humano em questão, longe de ser um herói, abusou da confiança que foi nele depositada.

O jornalista Ricardo Noblat, em seu blog desta quarta-feira (13), analisa o fim do mito de milagreiro de Lula, confira.