ArtigosImprensa

“A inflação voltou, e agora?”, por Adriana Toledo

Max Monteiro Fotografias
Max Monteiro Fotografias

Max Monteiro Fotografias

O aumento da inflação tem tornado a vida dos brasileiros uma tormenta. Itens como transporte e alimentação estão secando o nosso bolso.

A alta de preços está penalizando a todos. O fantasma da inflação voltou. Cada vez mais temos enfrentado dificuldades para fazer com que o salário chegue ao final do mês.

Ir ao supermercado se tornou um suplicio. São exatamente os itens básicos do dia a dia que apresentam aumentos consecutivos e fazem com que o nosso salário se desvalorize.

O governo tenta convencer a população de que a inflação que o país enfrenta é causada pelo consumo da própria população. A tese do governo é de que o aumento do poder de compra dos brasileiros e o acesso ao crédito seriam os verdadeiros vilões da inflação. Assim, defende que a solução é a elevação na taxa de juros, cortes nos gastos sociais e restrições ao crédito. Isso torna as compras a prazo mais caras, o que acredita, reduz o consumo e desacelera a inflação.

Mas nos sabemos que a explicação para o aumento dos preços no país é outra. A inflação voltou graças ao aumento dos preços administrados pelo próprio governo, como as tarifas de água, luz, comunicação e combustível. Isso sim, reflete diretamente na agricultura – nos produtos primários e nos serviços.

E por que elevam essas taxas? Para cobrir o rombo nos cofres públicos causados pelos desfalques e desvios e pela falta de competência para administrar o gasto público.

As contradições são enormes. O Brasil é o pais com uma das maiores taxa de juros do mundo e quanto mais o governo aumenta a taxa, mais aumenta a dívida pública interna. Isso significa menos dinheiro para saúde, educação, etc.

Você sabia que cerca de 45% de tudo que se arrecada pelo Governo Federal é usado para pagar juros da dívida pública? Enquanto isso a educação recebe cerca de 2,9% do orçamento. A segurança pública, um dos maiores problemas do país, recebe 0,6% aproximadamente.

Continuar assim não dá!

*Adriana Vilela Toledo é Presidente Estadual do PSDB Mulher de Alagoas, Pedagoga, especialista em Administração Pública e Pedagogia Empresarial