#MaisMulherNaPoliticaArtigosArtigos e EntrevistasBibliotecafeminismoImprensapolíticasala de leitura

He&She “Sobre a conquista do voto feminino no Brasil”, por Alexandre de Oliveira Kappaun

Acervo Pessoal
Acervo Pessoal

Acervo Pessoal

Hoje em dia, muitas pessoas tomam como naturais certos direitos duramente conquistados pelas mulheres. A verdade, no entanto, é que direitos são conquistados a duras penas e que não caem do céu, “de mão beijada”. É importante que a sociedade reconheça que avanços sociais importantes, como o direito da mulher à educação e ao voto, por exemplo, são resultados da luta dos mais diversos movimentos sociais. E, portanto, desmerecer a importância do movimento feminista e de suas vitórias é um retrocesso de pessoas que não veem que, se hoje, a mulher possui uma gama de direitos, que estas mesmas pessoas, muitas delas mulheres, desfrutam e reconhecem como importante, esses direitos não lhes foram dados por benevolência, mas conquistados, pela sociedade, depois de uma dura luta da parte das feministas.

Mesmo as pessoas que reconhecem o mérito de tais conquistas, porém, costumam só reconhecer a narrativa das lutas pelos direitos das mulheres, a partir do início do século XX. Na verdade, a história da luta da mulher pelo direito ao voto não começou a ser escrita por Berta Lutz, como costuma se pensar. Sem querer diminuir a importância da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF) e de sua fundadora e principal líder, Berta Lutz, a luta pelo direito das mulheres, de forma organizada e coletiva, no Brasil, vem do pioneirismo de uma Nísia Floresta e de outras mulheres, no século XIX. No caso específico da luta pelo direito ao voto das mulheres, não podemos olvidar o papel de Josefina Álvares de Azevedo e de suas companheiras de luta no jornal A Família.

A partir da proclamação da República, esse periódico se dedicou de corpo e alma à luta pelo direito ao voto das mulheres, propagandeando que, sem o exercício da plena cidadania feminina, a igualdade prometida pelos republicanos seria uma farsa. Além do seu papel como editorialista, Josefina Álvares de Azevedo também escreveu a peça Voto Feminino, que foi encenada durante os trabalhos constituintes de 1890-91. Ou seja, a luta pelo voto feminino culminou com a atuação de Berta Lutz e da FBPF, mas não “começou a ser escrita” por ela.

Não obstante a importante conquista do voto feminino, não se pode considerar encerrada a luta pelos direitos das mulheres. Precisamos continuar a lutar pela maior participação das mulheres na política brasileira. A participação feminina, nos três poderes, apesar de termos uma mulher presidente da república, é irrisória. Também temos outras lutas, desde o combate à violência doméstica e o tráfico de mulheres, até a luta por melhores salários e por direitos sexuais e reprodutivos. Feliz será o dia em que pudermos prescindir do feminismo e das feministas, pois será sinal de que todos os direitos femininos foram conquistados. Infelizmente, este dia ainda não chegou. A luta continua!

Mas é bom comemorar as vitórias já conquistadas. Parabéns, mulher brasileira, pelos 84 anos da conquista do voto feminino no Brasil!

*Alexandre de Oliveira Kappaun é professor de economia e de relações internacionais da Universidade Cândido Mendes (Campos dos Goytacazes) e da Faculdade Redentor (Itaperuna e Campos dos Goytacazes), economista (Universidade Católica de Petrópolis), com MBA Diplomacia e Negócios Internacionais (Centro Universitário da Cidade) e Master of Arts em Gender Studies (Central European University)