ImprensaNotícias

Investigações do MP ligam apartamento triplex no Guarujá ao ex-presidente Lula

Lula: Agência Brasil

Valter Campanato / ABrBrasília (DF) – Mais uma suspeita recai sobre a figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua família. Dessa vez, é o Ministério Público de São Paulo que investiga se a empreiteira OAS favoreceu Lula ao reservar para a família dele um apartamento triplex no Guarujá, litoral do estado, e pagar R$ 700 mil em uma reforma estrutural no imóvel.

As informações são de reportagem deste domingo (27/12) do jornal Folha de S. Paulo. Segundo a publicação, depoimentos de engenheiros e funcionários do condomínio colhidos pela Promotoria apontam que apenas familiares de Lula estiveram no apartamento durante as fases de construção e reforma. As visitas teriam, inclusive, envolvido medidas para esconder a presença do ex-presidente petista e de sua família no condomínio.

Os depoimentos revelam também que uma das visitas ao imóvel teria ocorrido em 2014 com a presença do então presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, que chegou a ser preso na Operação Lava Jato por suspeita de corrupção na Petrobras. Segundo o zelador do prédio, um funcionário da OAS o orientou a não mencionar a ligação de Lula com o imóvel.

O MP investiga a transferência de empreendimentos da cooperativa habitacional Bancoop, entre eles o triplex do Guarujá, para a OAS em 2009. Há suspeitas de que a construtora teria usado apartamentos do prédio, na praia de Astúrias, para lavar dinheiro e beneficiar pessoas indevidamente.

Tratamento VIP

Em depoimento, o zelador José Afonso Pinheiro disse que durante a reforma, Lula e sua esposa Marisa estiveram no triplex duas vezes. Segundo ele, nos dias das visitas a OAS limpou o condomínio e decorou o local com “arranjos florais”. Nessas ocasiões, os seguranças do ex-presidente seguravam o elevador do prédio enquanto Lula estava no imóvel, o que teria gerado reclamações de outros moradores.

Já o sócio da construtora Tallento, empresa executora da reforma, Armando Magri, afirmou que as obras de 2014 “praticamente refizeram o apartamento”. Ele relatou mudanças no desenho original da unidade e trocas de acabamento, pintura, piso, instalações elétricas e hidráulicas, além da instalação de um elevador privativo entre o primeiro e o terceiro andar do triplex.

De acordo com os depoimentos, nenhuma outra pessoa ou corretor visitou o imóvel. A família de Lula desistiu de ficar com o triplex após a publicação de reportagens revelando a existência do apartamento.