ArtigosImprensa

“Impeachment”, por Mariana de Azambuja

Arquivo pessoal de Mariana de Azambuja Cardoso
Arquivo pessoal de Mariana de Azambuja Cardoso

Arquivo pessoal de Mariana de Azambuja Cardoso

Não adianta o PT e suas linhas auxiliares – cada vez mais numerosas, diga-se de passagem – virem com o papo de que Eduardo Cunha não tem moral para iniciar o processo de afastamento da presidente Dilma. Por ora, ele é o presidente da Câmara e, nesta posição, independente de qualquer fator que macule sua permanência futura no cargo, cabe a ele acolher, ou não, eventuais pedidos de impeachment apresentados contra nossa governante.

A verdade? Os dois tem que cair, Dilma e Cunha. Mas, para isso, existe um trâmite a ser seguido e, até lá, ambos permanecem onde estão exercendo suas funções. Gostemos nós, ou não.

Com a popularidade variando entre 7% e 10%, a presidente não deveria, sequer, ter esperado Cunha se posicionar sobre coisa alguma. Se honrasse os votos que recebeu, se tivesse respeito pela população e pelos pilares da democracia representativa que vige no Brasil, Dilma já teria renunciado, ante a crescente crise de legitimidade que, desde os primeiros suspiros pós-reeleição, impera solene, gerando uma consequente – e igualmente grave – crise de governabilidade.

Mas como a democracia do PT e de seu séquito bolivariano se resume à realização de eleições diretas, ao invés de renunciar, a presidente vai para televisão e se diz indignada por quererem tirar do poder alguém escolhido pelo voto popular.

Ora, o segundo mandato de Dilma já nasceu morto e o óbito deverá (ou deveria) ser atestado pelo Tribunal Superior Eleitoral em breve. Esse é o fim de quem se vale de estelionato eleitoral, pago com dinheiro sujo de petróleo, desviado e lavado, para se reeleger a qualquer custo, doa a quem doer, em nome de um maldito plano de poder, que afundou o Brasil na lama. Sem esquecer as urnas inauditáveis que colocam sob suspeita, inclusive, o processo eleitoral em si.

Enfim.

Bacana mesmo é ver essa turma hipócrita, que defende o mandato natimorto de Dilma, assinar embaixo e legalizar o crime de responsabilidade cometido pela presidente e, depois, na maior cara de pau, esbravejar que não vai ter golpe.

Aprovar, no mês de dezembro, uma alteração na meta fiscal do ano corrente, que passa uma previsão de superávit de R$ 50 bilhões para um rombo de R$ 120 bilhões no orçamento, exclusivamente para que não restem configuradas as pedaladas em 2015 e, com isso, não se torne palpável – até para os lobotomizados do PT – a materialidade do impeachment, é o quê, senão um golpe contra o país e contra nosso ordenamento jurídico?

Ok, o ajuste da meta é viável legalmente. Mas, convenhamos, a alteração aprovada ontem não configura um mero acerto, mas sim uma forma vergonhosa, imoral e descarada de encobrir um crime previsto em lei, cuja penalidade é, justamente, a perda do mandato eletivo da presidente, o famoso impeachment – este sim, presente na Constituição e regulado por lei federal, sem qualquer traço de golpismo.

Cada um com seu pecado são todos tão sem moral quanto Eduardo Cunha. Inclusive, Dilma.

Ao falar da abertura do processo de impeachment, nossa governante se defendeu atacando o presidente da Câmara e, petulante, disse ainda que não aprovava barganhas. Distribuir ministérios para garantir a lealdade da base aliada e deixar de cortar cargos comissionados (em época de ajuste fiscal) para não desagradar os governistas não é barganha não, né Dilma?

Enfim, de novo.

Sim, o impeachment foi um baque para o governo. Mas a legalização das pedaladas de 2015 amorteceu, sobremaneira, o impacto daquele que pode ter sido o último grande ato de Eduardo Cunha. Não só porque enfraquece a principal base do pedido de afastamento de Dilma, mas porque mostra que a permuta ministerial deu certo, fortalecendo a lealdade dos aliados da presidente no Congresso.

Engana-se, no entanto, quem acha que, daqui pra frente, o destino de Dilma está nas mãos dos congressistas. Sim, para que ela seja afastada da presidência se faz necessário que 342 parlamentares votem favoravelmente ao impeachment. Mas sabe quem, e somente quem, vai fazer isso acontecer, independente de todo toma lá, da cá e das pedaladas anistiadas? O povo na rua, parando o Brasil e fazendo pressão.  Vamos?

*Mariana de Azambuja Cardoso é advogada, editora, colunista política da revista digital UN1DADE e vice-presidente do PSDB Mulher municipal/RJ.