ImprensaNotícias

Mesmo revisado, PIB do governo Dilma continua sendo o pior desde a época de Collor

S

dilma-Ueslei-Marcelino-reutersO IBGE divulgou nesta terça-feira (17/11) novos números sobre o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de 2012 e 2013. A revisão mostrou números maiores do que os divulgados antes. O crescimento médio no período foi alterado de 2,1% para 2,2%. No entanto, mesmo com o aumento, o crescimento é fraco se comparado com governos anteriores, conforme matéria publicada hoje (18/11) no jornal Folha de S. Paulo.

A retificação feita pelo IBGE mudou o PIB de 2012 de 1,8% para 1,9%. O de 2013, de 2,7% para 3%. A revisão é feita pelo órgão para incorporar uma base de dados mais detalhada sobre gastos e investimentos no país. Isso acontece porque, na primeira divulgação do PIB, há dados de setores da economia que não estão disponíveis. É o caso do setor de petróleo. O volume de produção de petróleo está disponível, mas detalhes sobre serviços prestados entre petroleiras não.

Os números divulgados sobre o primeiro mandato de Dilma são provisórios, já que os dados definitivos de 2014 só serão divulgado no fim do ano que vem. Até agora, os números sobre o cálculo inicial da variação do PIB no ano passado foram de 0,1%.

Fernando Henrique, em seu segundo mandato (1999-2002) conseguiu um crescimento da economia brasileira de 2,3% mesmo passando por um período turbulento com a maxidesvalorização do real. No primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva o crescimento econômico teve uma média de 3,5%.

Para 2015, a estimativa de economistas consultados pelo Banco Central (boletim Focus) é que o PIB tenha retração de 3,1%. A previsão é que a economia continue encolhendo em 2016 pelo terceiro ano consecutivo (-2%).