ImprensaNotícias

“Por Mais Tempo”: projeto de Mariana Carvalho lança novo olhar sobre o câncer de mama metastático

Mariana Carvalho de AlexxsandroBrasília (DF) – Na abertura da campanha Outubro Rosa, dedicada à prevenção e tratamento precoce do câncer de mama, a deputada Mariana Carvalho (RO), vice-presidente do PSDB, subiu à tribuna da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (01) para anunciar que seu Projeto de Lei de nº 3.169/2015, já em tramitação na Casa, foi apelidado por ela de “Por Mais Tempo”, por ter como meta o atendimento eficiente e digno à pacientes de câncer de mama metastático.

Trechos do discurso

“Eu quero ter tempo, eu quero ter tempo para viver, quero ter tempo para aproveitar a companhia dos amigos, eu quero ter tempo para amar ainda mais o meu marido, filhos, netos, eu quero ter tempo para ver minha afilhada crescer, eu quero ter tempo para passear com meus cachorros, quero ter tempo pra aproveitar a minha casa, para curtir a minha casa, para conhecer lugares que eu ainda não conheço para escrever um, dois, três livros. Então por isso que é tão importante essa campanha”. Este foi o apelo de várias mulheres que sofrem com o câncer de mama metastático e não tem condições de custear seus tratamentos. A falta do fornecimento de medicamentos, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), neste estágio da doença, levam muitas mulheres à morte precoce.

Entre 1990 e 2010, as mortes por essa doença cresceram 17% entre as brasileiras de 30 a 69 anos. Segundo o IBGE o câncer de mama é a principal causa de morte por câncer na população feminina brasileira e o estágio metastático corresponde a 90% dos óbitos.

Tendo em vista esse cenário, vamos pedir, todos juntos, ao Ministério da Saúde a incorporação de medicamentos mais modernos e adequados, que possibilitem às pacientes com câncer de mama metastático um tratamento personalizado para sua doença, garantindo assim mais tempo e mais qualidade de vida.

Aproximadamente 57 mil mulheres serão diagnosticadas com câncer de mama este ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Acrescenta-se a esse quadro o fato de que o tumor é diagnosticado muitas vezes em estágio avançado, o que acontece com mais de 50% das pacientes atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, estima-se que 30% das pacientes diagnosticadas vão evoluir para o estágio metastático, quando o tumor se espalha pelo corpo. Pela gravidade e urgência do problema, é fundamental que as pacientes, uma vez diante de uma doença metastática, recebam os tratamentos mais adequados para seu tipo de tumor. Mas isso não ocorre. Tendo a saúde como uma das premissas na minha vida, elaborei um projeto de lei, que se encontra tramitando nesta Casa, com o número 3.169, de 2015, para que o SUS coloque em suas ações o medicamento e faça o acompanhamento destas pacientes com câncer de mama metastático de maneira digna e honrosa.”

Clique AQUI para conhecer o PL 3.169/2015 na íntegra.