#MaisMulherNaPoliticaArtigos e EntrevistasBibliotecafeminismosala de leitura

Mulheres do Terceiro Mundo e a Política Feminista Sob olhos ocidentais

Belem, Brazil --- Original caption: A mother in Belem, Brazil nurses her twins. Mother's milk, full of antibodies, gives babies a healthy start, yet for years women in developing countries were encourage to use formula powder mixed with water. Result: Children suffered more waterborne illnesses and missed out on natural antibodies in breast milk. --- Image by © Karen Kasmauski/Science Faction/Corbis
Belem, Brazil --- Original caption: A mother in Belem, Brazil nurses her twins. Mother's milk, full of antibodies, gives babies a healthy start, yet for years women in developing countries were encourage to use formula powder mixed with water. Result: Children suffered more waterborne illnesses and missed out on natural antibodies in breast milk. --- Image by © Karen Kasmauski/Science Faction/Corbis

Belem, Brazil . — Image by © Karen Kasmauski/Science Faction/Corbis

Mulheres do Terceiro Mundo e a Política Feminista Sob olhos ocidentais
Estudos feministas e discursos coloniais*
Chandra Talpade Mohanty

Qualquer discussão sobre a construção política e intelectual dos “feminismos de terceiro mundo” devem se voltar a dois projetos simultâneos: a crítica interna dos feminismos hegemônicos “ocidentais”, e a formulação de preocupações e estratégias feministas autônomas, fundamentadas geograficamente, historicamente e culturalmente. O primeiro projeto é de desconstrução e de desmantelamento; o segundo, de criação e construção. Apesar de esses dois projetos parecerem contraditórios, um agindo positivamente e o outro negativamente, a menos que ambos sejam conduzidos
simultaneamente,os feminismos de “terceiro mundo” correm o risco de marginalização e de guetização, em relação aos principais discursos (tanto de direita e quanto de esquerda) feministas ocidentais.

É ao primeiro projeto que eu me dirijo. O que desejo analisar é, especificamente, a produção da “mulher de terceiro mundo” como um sujeito singular e monolítico em alguns textos (ocidentais) recentes. A definição de colonização que pretendo invocar aqui é aquela predominantemente discursiva, aquela cujo foco é um certo modo de apropriação e de codificação de “estudos” e “conhecimento” sobre mulheres do terceiro mundo por meio de categorias analíticas utilizadas em textos específicos, que tomam como referências de interesses feministas, aqueles articulados nos Estados Unidos e na Europa ocidental. Se uma das tarefas ao formular e entender o locus dos “feminismos de terceiro mundo” é delinear o modo pelo qual ele resiste e trabalha contra o que eu estou me referindo como “discurso feminista ocidental”, uma análise da construção discursiva das “mulheres do terceiro mundo” no feminismo ocidental é um primeiro passo importante.

Clique AQUI para ler a íntegra.