ArtigosImprensa

“Competitividade Petista”, por Luciana Arraes

Acervo pessoal Luciana Arraes

Acervo pessoal Luciana Arraes

Deu na Folha de São Paulo de domingo (19) que oitenta países devem assinar, no final desta semana, um acordo comercial para eliminar tarifas de importação de mais de 200 produtos de tecnologia. Esses 80 países representam 97% do comércio mundial de tecnologia da informação.

/modo sonho ativado: Tecnologia sem impostos, equipamentos hospitalares de última geração, smartphones pela metade do preço, carros mais seguros, todo tipo de eletrônicos acessíveis… /modo sonho desativado: O Brasil não vai participar deste acordo.

Humberto Barbato, presidente da ABINEE (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) defende a posição de que o Brasil não deve participar do Tratado da Aliança Internacional de Tecnologia (ITA): “Se isso acontecer, praticamente não teremos mais indústria eletroeletrônica no país devido aos baixos preços dos produtos chineses e do alto custo de produção no Brasil”.

Infelizmente é assim que as coisas funcionam por aqui. Se o governo não consegue garantir educação de qualidade pra todo mundo, ele baixa o padrão de exigência para aprovação na escola ou para a entrada na universidade. Se o governo não consegue garantir emprego digno pra todo mundo, ele distribui umas bolsas e retira os bolsistas das estatísticas de desemprego. Se o governo não consegue garantir que a nossa indústria seja competitiva, ele dificulta a compra de produtos mais baratos fabricados pelo vizinho. O governo nem cogita diminuir a carga de impostos e desonerar o trabalho, deixando nossas indústrias competirem no mercado nacional e internacional.

E assim baixamos os nossos padrões de exigência e nos conformamos com um ensino medíocre e hospitais que mais matam do que tratam. Nos acostumamos a pagar uma fortuna por eletrônicos, ainda que sejam obsoletos e ultrapassados. E pior, muito pior do que isso: começamos a achar normal a ética flexível do PT, que justifica todos os seus erros com o “todo mundo faz”. E agora temos que assistir às denuncias de corrupção contra o Presidente da Câmara sem esboçar qualquer reação de desaprovação. Afinal, “os outros também se corromperam” e “não foi ele que inventou a corrupção”. Eis o legado do PT para as futuras gerações: amoralidade, desonestidade intelectual e estreitamento do horizonte de expectativas.

Vai ser preciso muito tempo para que a gente possa desfazer todo o mal que o PT fez ao nosso país. Mas nós vamos conseguir.

PS: 21 de julho é o Dia do Amigo e eu, que tenho os melhores amigos do mundo, quero agradecer ao Partido dos Trabalhadores, que me fez reconhecer e filtrar os meus amigos pelo caráter e pela honestidade. Quem apoia a gafanhotagem e a corrupção não pode fazer parte da minha vida.

*Luciana Arraes tem 46 anos, é carioca, estatística e administradora de empresas e faz parte do PSDB MULHER municipal/RJ.