ImprensaNotícias

Presença de Aécio Neves na entrega da Medalha Ruth Cardoso encerra dia de festa do PSDB-Mulher Nacional

Foto: George Gianni
Foto: Orlando Brito

Foto: Orlando Brito

Brasília (DF) –  Em um auditório com mais de 400 mulheres de todas as regiões do Brasil, e na presença do presidente do PSDB, senador Aécio Neves, o PSDB-Mulher homenageou neste sábado (04), na solenidade da Medalha Ruth Cardoso 2015, sete personalidades e entidades que se destacaram nos últimos dois anos pela defesa dos direitos da mulher e no combate à discriminação e luta de gênero.

Compuseram a mesa os deputados federais Duarte Nogueira (SP), Geovânia de Sá (SC), Mariana Carvalho (RO) e o senador Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado Federal.

Abertura – Solange Jurema, abriu a solenidade dizendo ser um prazer enorme receber a todos para a solenidade que deu também posse à nova executiva do Secretariado Nacional da Mulher.

Homenagem – A fala inicial ficou a cargo da vice-presidente Nancy Ferruzzi Thame (SP), que falou da alegria enorme ver a sala lotada por mulheres de todo o país. Pede para falar um pouco sobre os momentos de realização dos últimos anos do PSDB-Mulher Nacional, e do papel essencial que Thelma de Oliveira, presidente do Secretariado Nacional durante seis anos antes da gestão de Solange Jurema. Sem o empenho de Thelma, de seu esforço para ampliar a capilaridade do PSDB-Mulher, nada disso teria sido possível.

Hoje, temos a alegria de reeleger Solange Jurema, a primeira ministra da Mulher do Brasil, no governo Fernando Henrique, em 2002, com seu olhar acadêmico, seu pensamento feminista, indo além do que Thelma conquistou e é bom que seja assim. “No momento em que a ONU lança o programa “He for She”, não podemos esquecer que os homens podem, se conscientizados, nos ajudar bastante. Temos um time imenso e vamos conseguir”, encerrou.

Aécio Neves – Em discurso para a sala lotada, o senador Aécio cumprimentou as presentes e agradeceu pelo empenho do PSDB-Mulher pela mobilização do ano passado: “tenho certeza que grande parte do resultado das eleições de 2014, mesmo perdendo, foi devido ao empenho de vocês”.

“Falamos sempre que o PSDB tem que avançar nas questões femininas, mas quem vai garantir um PSDB mais conectado com as questões que vocês defendem são vocês mesmas, não somos nós”, prosseguiu Aécio, avisando que na composição da chapa que será apresentada na Convenção Nacional do partido neste domingo (05),  teremos tantas mulheres quanto nunca tivemos na história do partido.

Cumprimentando Solange Jurema por sua reeleição, o presidente tucano disse também que, atendendo a um pedido dela, promoveu duas mudanças no estatuto do PSDB que serão permanentes: a partir de agora a presidente do PSDB-Mulher terá voz e voto na executiva do partido e, também imediatamente, uma mulher será sempre vice-presidente do PSDB.

Aproveitando a ocasião, Aécio Neves improvisou:”Convido agora a deputada Mariana Carvalho para assumir esse cargo, como minha vice-presidente, como parte da renovação que nosso partido está vivendo. Nenhum outro partido tem um segmento feminino tão qualificado, tão organizado, tão desenvolvido, como é o PSDB-Mulher. Se tivesse que escolher ao final do meu exercício uma marca, gostaria que fosse: “Aécio foi o presidente que escancarou as portas do partido para todas as mulheres do PSDB”.

Na entrega das medalhas Ruth Cardoso, Felix Dane, representante da KAS, agradeceu a homenagem e disse que para a entidade a educação política é essencial, ainda mais para as mulheres. “Vocês fazem um trabalho de formação das novas gerações em casa, por isso seu papel na democratização de um país é fundamental. Vocês tem que lutar para ocupar seu espaço na política brasileira e fazer avançar esse país”, disse Felix Dane, agradecendo a homenagem e dizendo ser um grande prazer estar em Brasília para isso. Além de representar a Fundação Konrad Adenauer, Felix Dane ganhou uma homenagem especial: um tucano de pedras como lembrança, já que está embarcando para a Alemanha, depois de um período de três anos.

Fátima Jordão, outras agraciada, disse estar muito emocionada por vários aspectos, principalmente pelo nome da medalha. Revela ter sido aluna de Ruth Cardoso e diz que um auditório repleto de mulheres sempre a emociona também. Por último, diz que o discurso de Aécio Neves também a emocionou muito por mostrar que o PSDB, hoje, entrou no terceiro milênio, ao reconhecer o papel da mulher dentro do partido.

Irmã Benedita, por sua vez, disse não acreditar estar sendo premiada, por ter dedicado sua vida ao prazer de servir, não por prêmios. Explica que seu trabalho foi pensado em atender às necessidades da mulher que precisa trabalhar desde o início e fala das dificuldades de sobreviver de doações, mas que a cada novo dia suas esperanças se renovam.

Irmã Inês agradece em seu nome e no de sua congregação, quero agradecer também à minha conterrânea Solange e à Moema São Thiago, que foi minha aluna.

Dra. Joeci Camargo agradece às mulheres decididas da platéia, como as que estão em casa, rezando para que seus filhos um dia sejam doutores; como ela mesma, ali na frente recebendo o prêmio. Fala que a emoção de Fátima Jordão é a mesma que está sentindo, a desembargadora, entre o muito que já fez, revela ter promovido mais de dez mil casamentos entre a população carente. Com dignidade, roupas e muito amor.

Luislinda de Valois, como boa baiana, agradeceu primeiro a Iansã e depois a Deus, pela homenagem, falando da emoção que sentiu ao receber um prêmio tão importante, porque “não é fácil ser negra, pobre e mulher no Brasil. É preciso ser competente e isso eu sou. Precisamos de mulheres negras no Congresso Nacional”, destacou.

Encerramento – Solange encerrou a solenidade dizendo da alegria de encerrar um evento rodeada de mulheres que têm poder, “me sinto muito orgulhosa por fazer parte de uma mesa assim. Apesar de haver dito que não seria mais presidente, terminei cedendo ao apelo de nosso presidente Aécio Neves e de nossas companheiras. Pensei que seria uma atitude egoísta minha, nesse momento em que nosso país ferve, me retirar para cuidar de assuntos pessoais. Me dei conta de que todas nós temos obrigação de trabalhar por um país melhor.

Eu percebi que não tenho direito de descansar, tenho que ajudar essas mulheres a se preparar mais. Sabemos que conhecimento é poder, vou ajudar nossas mulheres a chegar mais seguras às eleições de 2016 repartindo com elas informação. O discurso de nosso presidente Aécio é mais uma batalha que acabamos de vencer e me motivou. Apesar de ter dito antes que estava cansada eu agora digo: acabou o cansaço, vamos à luta! O Brasil precisa de nós!”, encerrou Solange Jurema.

 

Veja abaixo o perfil dos homenageados:

 

Jussara Meguerian, fundadora da FALE, entre Luciana Loureiro e Sandra Quezado, do PSDB-Mulher, na horta comunitária

Jussara Meguerian, fundadora da FALE, entre Luciana Loureiro e Sandra Quezado, do PSDB-Mulher, na horta comunitária

Fraternidade Assistencial Lucas Evangelista (FALE) – Entidade sem fins lucrativos, fundada em 1990 em Uberlândia/MG, a FALE veio para Brasília em 1994.

Dedicada à assistência emocional, educacional e material às pessoas que vivem com o vírus HIV/AIDS ou doenças incuráveis e seus familiares, abriga atualmente 180 internos, entre adultos e crianças.

Fruto da iniciativa de Jussara Meguerian, a FALE sobrevive exclusivamente de doações e da ajuda de voluntários. Até as 32 casas que abrigam as famílias dos 180 internos foram construídas em regime de mutirão, com material de segunda-mão. Do Estado, a instituição recebe apenas os medicamentos que compõem o coquetel antiviral de combate à AIDS.

O resto do muito que os moradores da instituição precisam é garantido por doações, empenho e muito carinho, temperado pela disciplina de Jussara, que conta, orgulhosa, ter conseguido diminuir a transmissão mãe/filho com medidas simples, como evitar que portadoras amamentem seus filhos recém-nascidos.


Fátima Jordão

Fátima Jordão – Socióloga, fundadora e conselheira do Instituto Patrícia Galvão, Fátima Jordão é assessora de pesquisa da TV Cultura. Feminista e pensadora da realidade feminina no mundo, Fátima é parceira constante do PSDB-Mulher Nacional, em nossas palestras e cursos de conscientização e formação de novas lideranças, nos quais participa com sua lúcida visão de mulher isenta e apartidária, preocupada com os rumos e desafios do universo feminino.

Onde houver no mundo uma mulher em sofrimento, lá se ouvirá a voz de Fátima Jordão nos cobrando atenção e solidariedade para com ela. Em qualquer situação, contra qualquer tipo de discriminação, crime, violência contra mulheres e minorias, ela estará alinhada.

Fátima Jordão é especialista em pesquisas de opinião. Coordenou o estudo que resultou no livro Sintonia Jovem: O que pensam e desejam os jovens brasileiros (Cultura Data, 2008).


Foto: Solange Jurema e Felix Dane/KAS

Fundação Konrad Adenauer  (KAS)– Fundação política alemã que tem como diretrizes de trabalho as palavras “democracia, paz e justiça”, a KAS desenvolve programas inspirados nos valores do partido político CDU, União Democrata Cristã da Alemanha, em parcerias no mundo inteiro.

Engajada no propósito de um mundo em que os homens possam viver em liberdade e dignamente, a Fundação Konrad Adenauer coloca seus mais de 80 escritórios a serviço de projetos que incentivem pessoas a participar da construção de um futuro nesse sentido.

No Brasil desde 1969, a KAS rapidamente se tornou parceira preferencial do PSDB-Mulher Nacional na promoção de cursos de formação política, de discussão da realidade nacional, de um país melhor. Em cursos de cidadania e incentivo à maior participação das mulheres da política;  “forma segura de fortalecer a democracia”, como explicou seu representante no Brasil durante os últimos três anos, Felix Dane, que receberá a Medalha Ruth Cardoso  em nome da fundação.

Porque é isso o que a KAS faz: estimula a pensar em como alcançar um mundo mais digno, mais justo e democrata. Um mundo em que sociedades igualitárias não sejam uma utopia, um mundo que tem tudo a ver com o que o PSDB-Mulher quer para o futuro do Brasil.


Irmã Benedita Loz entre Lucyleia Marinho e Valéria Simonetti Marinho, vice-presidentes do PSDB-Mulher RN

Irmã Benedita Loz entre Lucyleia Marinho e Valéria Simonetti Marinho, vice-presidentes do PSDB-Mulher RN

Irmã Benedita Loz dos Santos – Nascida em 1955, Irmã Benedita é alagoana e pedagoga, especializada em gestão e organização escolar. Apaixonada pelo que faz é totalmente dedicada ao trabalho com crianças e adolescentes. Seu projeto de vida, desenvolvido em diversos estados nordestinos como Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, beneficia as mulheres, por cuidar de seus filhos enquanto elas trabalham ou estudam, buscando melhor formação profissional.

Atualmente Irmã Benedita desenvolve sua missão na Escola Ambulatório Padre João Maria/Casa da Criança, instituição filantrópica existente em Natal/RN há 68 anos, com a finalidade de acolher crianças carentes na educação infantil, na faixa etária de 02 a 05 anos.

Criteriosa, Irmã Benedita, mais do que educar, orienta meninas e meninos na condução de suas vidas e no comprometimento com a criação de suas futuras famílias. A casa sob a direção dela educa cerca de duzentas crianças em tempo integral.


Irmã Inês de Barros Lima – Alagoana de Quebrangulo, Irmã Inês trabalha há 67 anos servindo aos mais carentes e necessitados, no Brasil e na França, onde estudou em 1965 e para onde voltou em 1980. Aqui no país, seu trabalho se concentra mais em Fortaleza/CE, onde vive atualmente e implantou os dois projetos que a habilitaram a receber o prêmio Medalha Ruth Cardoso 2015.

O primeiro deles, fundado em 2000, chama-se Projeto Globalização da Caridade e fica no Refeitório São Vicente, em Benfica, que funciona de segunda a segunda e atende, diariamente, 130 pessoas. Seu objetivo é promover a inserção social de pessoas de ambos os sexos em situação de rua, através da qualificação profissional por meio de cursos e palestras educativas. O Globalização da Caridade oferece, ainda, almoço diário, encaminhamento a unidades de saúde, missas mensais, encaminhamentos para promotorias em casos jurídicos e atualização de documentos civis.

Em 2009 Irmã Inês fundou a expansão do Refeitório São Vicente; o Projeto Novos Céus, Nova Terra, que acolhe 20 jovens do sexo masculino dependentes de droga por um período de 08 meses, durante os quais os ajuda a se libertar do vício, desenvolvendo estratégias que vão da atenção amorosa e acolhedora ao atendimento médico psiquiátrico e psicológico, para posterior reinserção dos abrigados na sociedade e no mercado de trabalho.


Joeci Machado Camargo – Nascida em Londrina em 1955, Joeci é desembargadora do Tribunal de Justiça do Paraná. Idealizadora do Programa Justiça no Bairro, que leva atendimento jurídico gratuito à população de baixa renda, atualmente em sua 10ª edição e uma estimativa de 20 mil atendimentos na edição anterior.

Além da Justiça Estadual, o Justiça no Bairro envolve também a Prefeitura, entidades privadas, advogados voluntários, acadêmicos de Direito e outros parceiros. Para ser atendido, o postulante precisa apenas comprovar renda máxima de três salários mínimos mensais.

O benefício que a iniciativa de Joeci Camargo traz para a comunidade é evidente, não só pelos serviços de reconhecimento de maternidade e paternidade; processos de divórcio, pensão alimentícia, guarda e responsabilidade; regulamentação de visitas; suprimento de idade para casar; retificação de registro civil; casamento coletivo ou emissão de carteiras de identidade e CPF.
O projeto Justiça no Bairro leva cidadania e dignidade a quem não tem acesso ao atendimento jurídico em seu cotidiano. Por isso mesmo, já venceu a terceira edição do Prêmio Conciliar é Legal do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ganhou a Prêmio Dignidade Solidária 2004, promovido pelo Centro Paranaense de Cidadania – CEPAC.


Juíza Luislinda de Valois

Luislinda Dias de Valois Santos – Nascida na Bahia, é a primeira mulher negra a se tornar juíza no Brasil. A conquista é apenas uma das que a magistrada baiana garantiu ao longo de sua expressiva carreira no Judiciário.

Aos 73 anos de idade e com 26 anos de magistratura, Luislinda já foi homenageada e premiada em diversas esferas públicas do país e no exterior pelos seus importantes projetos de inclusão e acesso à Justiça desenvolvidos nas comarcas por onde passou.

Em 2009, lançou seu primeiro livro – O Negro no Século XXI – que traz importantes análises acerca do processo histórico que desencadeou a desigualdade racial e social no Brasil. Luislinda Valois é também idealizadora dos Balcões de Justiça e Cidadania, do Juizado Itinerante Marítimo Baía de Todos os Santos e da Justiça Bairro a Bairro, criados com objetivo de ampliar o acesso da população carente aos serviços judiciários.