ImprensaNotícias

Lideranças debatem violência doméstica e igualdade de gênero na Assembleia Legislativa do MT

Foto: Angelo Varela

Brasília (DF) – As comemorações pelo Dia Internacional da Mulher continuaram durante toda esta semana, a exemplo do evento, realizado nesta quarta-feira (11), no auditório Milton Figueiredo da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso.

Cuiabá (MT) – Violência doméstica e igualdade de gênero. Esses foram alguns dos temas do debate “Papel da Mulher na Política”, promovido pela Sala da Mulher em parceria com o PSDB Mulher, realizado na tarde desta quarta-feira (11), no auditório Milton Figueiredo da Assembleia Legislativa.

Mulher Coragem e Força (Foto: Angelo Varela )

Mulher Coragem e Força (Foto: Angelo Varela )

A presidente de honra da Sala da Mulher, Maria Teresa Maluf, explica que a ideia do encontro foi discutir com lideranças femininas sobre assuntos que encaminhem para a erradicação da violência contra mulher.

“Desta forma, queremos contribuir para aperfeiçoar a legislação existente e encontrar novas ações para termos, de fato, igualdade de gênero e melhorias na qualidade de vida feminina”.A presidente de honra da Sala da Mulher, Maria Teresa Maluf, explica que a ideia do encontro foi discutir com lideranças femininas sobre assuntos que encaminhem para a erradicação da violência contra mulher.Violência doméstica e igualdade de gênero. Esses foram alguns dos temas do debate “Papel da Mulher na Política”, promovido pela Sala da Mulher em parceria com o PSDB Mulher, realizado na tarde desta quarta-feira (11), no auditório Milton Figueiredo da Assembleia Legislativa.

Uma das palestrantes foi a promotora de Justiça, Lindinalva Rodrigues, que é especialista no combate a violência doméstica e familiar contra a Mulher.

Na oportunidade, ela destacou a importância que terá a lei do feminicídio, sancionada nesta semana pela presidente Dilma Rousseff, em que assassinato motivado por razões de gênero, menosprezo ou discriminação contra mulheres passa a ser crime hediondo, com agravamento da pena se violência atingir gestante ou mãe com filho de até três meses.

Mulher Coragem e Força - Thelma de Oliveira (Foto: Angelo Varela)

Mulher Coragem e Força – Thelma de Oliveira (Foto: Angelo Varela)

Lindinalva pontua a necessidade de centros educativos, com projetos voltados para o agressor e que também ofereça qualificação à mulher e a inserção nos currículos escolares de disciplinas que tratem da violência doméstica e questões de gêneros.“Essa lei é um grande avanço, pois os números de violência contra mulher são altos. Hoje no Brasil, a cada dois minutos, cinco mulheres são agredidas. Na maioria dos casos, a agressão é cometida dentro de casa por parceiros ou ex-parceiros. Enquanto o Ministério Público e o Poder Público caminham na vanguarda, fazendo valer a lei Maria da Penha, por exemplo, por outro lado ainda faltam as políticas públicas, pois não se combate a violência apenas com golpes de lei”.

“É preciso tratar os agressores e, desta forma, proteger a vítima. Precisamos centros. Com certeza, debates como esse de hoje são importantes e devem ser feitos sempre. Pois, traz o assunto à tona, tirando-o debaixo do tapete porque a vida das mulheres não é feita só de março”.

A vice-presidente nacional do PSDB Mulher, Thelma de Oliveira, também destacou a relevância do projeto de lei aprovado. “Com certeza a lei do feminicídio trará muitos avanços. E continuar fazendo um enfrentamento contra qualquer tipo de violência e garantir o direito de igualdade de gêneros é fundamental”, pontuou Thelma.

Para continuar lendo, clique AQUI

*Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso