ArtigosImprensa

“Acuado, Lula ameaça com guerra civil “, por Lêda Tâmega

LEDA TAMEGA 1Ao discursar durante ato organizado supostamente “em defesa da Petrobras”, Lula atiça a militância petista e os movimentos sociais, conclamando-os a partir para a guerra e a fazer das ruas arenas de batalha: “Quero paz e democracia, mas também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stedile colocar o exército dele nas ruas.”

É pura e simplesmente um chamamento à guerra civil. Especialmente quando a sociedade se mobiliza para sair às ruas no dia 15 de março pelo Impeachment da Presidente da República. Isso soa como uma grave ameaça de um líder irresponsável que se vê acuado, apavorado com os desdobramentos da Operação Lava Jato, que pode, a qualquer momento, apontar o dedo para o chefão, ou seja, ele próprio.

Suas ameaças não param por aí. Lula está avisando que, se Dilma cair, o Brasil irá conhecer o mesmo destino que o Iraque, depois da queda de Sadam Hussein, e o Egito pós-Mubarak, cujos contextos políticos se deterioraram depois da deposição desses ditadores.

Para ele, o problema não é a corrupção na Petrobras – malfeitos de uns poucos aloprados – mas o fato de existir um plano urdido por setores inconformados – “elite”, mídia – para “criminalizar a política de ascensão social de uma parte da sociedade brasileira”.

Lula continua o mesmo. Nem as evidências escancaradas da roubalheira comandada pelo PT e aliados, nem a gravidade dos crimes que submergem num mar de corrupção a maior empresa brasileira, com incalculáveis danos à economia do país, nada, nada abala a debochada desfaçatez com que ele encara a sociedade brasileira para repetir que a culpa é dos outros, de FHC, como já disse Dilma, não dos “companheiros” ou do PT.

Estão há doze anos dirigindo o país com uma estratégia de crescente aparelhamento da máquina pública, compra de apoio dentro e fora do Congresso Nacional, doutrinamento ideológico no campo e nos meios acadêmicos, propaganda maciça e enganosa dos feitos do governo e montagem de gangues mafiosas nas entranhas das empresas estatais.

Francamente, a que ponto chegamos! Como os brasileiros decentes puderam deixar-se enredar em tão maquiavélica arquitetura? E como poderemos sair dessa teia seguindo o caminho da Lei e da Justiça, passando ao largo das fornalhas apocalípticas com que Lula nos ameaça?

Só vejo uma saída: O povo nas ruas, unido contra a mão pesada do autoritarismo lulopetista, pela restauração da verdade, da decência, da transparência, da ética, da democracia sem demagogia, dos valores verde-amarelos dos cidadãos que realmente amam nosso Brasil. #ForaPT #ImpeachmentJá.

*Lêda Tâmega é cidadã brasileira e indignada.