ImprensaNotícias

Acesso a escola ainda deve ser prioridade

crecheSP-Gov-SP-300x225Na capital, mais de 103 mil crianças estão fora da creche por falta de vaga; sem universalização, qualidade do ensino fica em segundo plano

Adriana Ferraz,
O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2016 | 05h00

Beatriz e Eloá fazem parte de uma estatística que só cresce na região onde moram. De janeiro para cá, o número de crianças fora da creche na Brasilândia, zona norte da cidade de São Paulo, ganhou 1.394 nomes e a fila por uma vaga soma hoje 2.654. As meninas estão na lista de 103 mil crianças cujas famílias, em São Paulo, se desdobram para pagar uma escola particular ou mesmo um parente para tomar conta enquanto a vaga pública não sai.

Eloá e a avó estão na fila da creche há dois anos
A recepcionista Sabrina Borges de Oliveira, de 31 anos, gasta todos os meses um terço de seu salário com a tia, que faz as vezes de babá de sua filha. Beatriz, de 1 ano e 9 meses, entrou na fila da creche em fevereiro, quando a mãe voltou a trabalhar. “Não imaginei que fosse demorar tanto. Acompanho a posição dela pelo sistema e a impressão que dá é que ela não sai do lugar. Um dia tem 21 crianças na frente dela, no outro, 24 e assim vai”, conta. A tia cobra menos que uma escolinha, mas os R$ 450 mensais fazem falta.

Para ler a íntegra clique aqui.