ImprensaNotícias

Temer sanciona projeto de Bauer que cria a Lei da Lactose

paulo-bauer-300x213Sancionada nesta terça-feira (5) pelo presidente em exercício, Michel Temer, a Lei da Lactose (Lei 13.305 de 2016) teve origem no projeto de lei 260, de 2013, apresentado pelo senador Paulo Bauer (PSDB-SC). O novo texto altera o decreto-lei número 986, de 1969, obrigando que todos os produtos que tenham lactose indiquem o teor da substância em seus rótulos.

Dessa forma, não será mais suficiente que haja a indicação da existência da substância na composição dos produtos, mas os valores percentuais, mesmo quando apenas residuais. A proposta ainda estabelece que as referências deverão ser feitas de forma legível, para facilitar a vida dos consumidores.

O senador Paulo Bauer explica que a importância de se ter as indicações percentuais exatas está no fato de que a intensidade dos efeitos da intolerância depende das quantidades ingeridas e varia de pessoa para pessoa. “A literatura médica esclarece essa questão da proporcionalidade. Enquanto a grande maioria das pessoas afetadas pode conviver com a ingestão de até um copo de leite por dia, outras têm sintomas desencadeados por quantidades menores”, destaca o parlamentar catarinense.

O tucano acrescenta ainda que a proposta tem o objetivo de contribuir para melhorar o nível de saúde das pessoas afetadas por essa intolerância, garantindo melhor qualidade de vida, além de um direito fundamental: o da informação sobre consumo. A indicação de percentuais de lactose vai possibilitar, segundo Bauer, que os consumidores possam balancear o consumo da substância sem prejudicar as necessidades diárias de ingestão de cálcio e vitamina D.

“O conhecimento do teor de lactose presente nos alimentos, portanto, é uma condição essencial para essas pessoas administrarem seu consumo diário de leite e derivados e, assim, para a manutenção de uma ingestão adequada de cálcio e de vitamina D”, completa o parlamentar.

Estimativas

Não há dados consolidados sobe a intolerância à lactose no Brasil uma vez que os números variam conforme idade e etnia. No entanto, há estimativas de que 40% da população brasileira sofra com o problema em algum grau. O gastroenterologista e endoscopista Eduardo Usuy Júnior, vice-presidente da Associação Catarinense de Medicina, entende que a indicação do teor exato de lactose nos produtos vai beneficiar quem tem alergia à substância. Ele afirma que são raros os casos de intolerância total à lactose.

“Certamente. O tratamento consiste em diminuir a ingestão de lactose. Porém, a grande maioria dos intolerantes suporta a ingestão de quantidades menores da substância sem apresentarem sintomas digestivos. Portanto, a necessidade de restrição completa da ingestão de lactose somente é necessária em raros casos, e mesmo assim por pouco tempo”, explica Usuy.

De acordo com o texto sancionado pelo presidente Michel Temer, a indústria terá seis meses para se adaptar à nova lei e passar a indicar os percentuais de lactose em seus produtos. A fiscalização caberá à Anvisa, que deverá aplicar as sanções previstas nas regulamentações sobre rotulagem.

* Com informações da assessoria do senador Paulo Bauer