ImprensaNotícias

Com queda no consumo, produção de refrigerantes cai 10% em cinco meses

What is insideBrasília (DF) – O cenário de crise econômica deixado pelo governo da presidente afastada Dilma Rousseff ainda reflete no dia-a-dia do brasileiro. Com a queda no consumo fora de casa, a produção de refrigerantes em lata caiu 10,4% nos cinco primeiros meses deste ano na comparação com o mesmo período de 2015. Os dados foram divulgados pelo Sistema de Controle da Produção de Bebida (Sicobe) nesta sexta-feira (10). As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com a reportagem, as garrafas PET e de vidro também estão sofrendo com o baixo consumo e sofreram queda de 2,5% e 6,2%, respectivamente. Para o integrante da Associação de Refrigerantes (Abir) Igor Castro, a insegurança e a falta de emprego têm feito as pessoas saírem menos e, consequentemente, darem uma freada nos gastos.

“Se os bares e restaurantes perdem frequentadores, deixam de consumir nossos produtos. Como a lata tem um valor agregado maior, o produto é um dos primeiros a serem revistos nas compras também nos supermercados”, afirmou.

Estimativa da entidade aponta que a produção em 2016 deverá ser negativa, após uma forte queda, de 5,9%, no ano passado. “O que a gente ouve é que as empresas seguram gastos, algumas cortaram 25% do pessoal e têm trabalhado com capacidade ociosa”, completou Castro.

Segundo a publicação, na Coca-Cola, reconhece-se que a crise reduziu o consumo. Em nota, a empresa diz que espera uma recuperação da economia e mantém a previsão de investir R$ 14,1 bilhões no país de 2012 a 2016.

Na avaliação de Claudio Brüehmüeller, presidente da empresa Marajá, sediada em Mato Grosso, para as fabricantes de refrigerantes, o segundo semestre pode ser um pouco menos amargo, mas ainda é preciso segurar os gastos.

Clique aqui para ler a íntegra da matéria.