ImprensaNotícias

Núcleo lançado em MS é ação inédita no Brasil e visa apoiar vítimas de feminicídio

Vice-governadora enfatiza educação como processo de combate as formas de violência
Vice-governadora enfatiza educação como processo de combate as formas de violência

Vice-governadora enfatiza educação como processo de combate as formas de violência

Campo Grande (MS) – Com mais de 1,7 mil atendimentos somente de janeiro a abril deste ano o Centro Especializado de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – CEAM Cuña M’Baretê, contará com mais um serviço lançado hoje (18). O Núcleo de Atendimento às Sobreviventes e às Famílias das Vítimas de Feminicídio (NAFem) vai assegurar o atendimento psicossocial às famílias das vítimas de Feminicídio e quando necessário acompanhar e encaminhar para a Rede de Atendimento. Conforme dados da Subsecretaria de Políticas Publicas para Mulheres (SPPM), somente nesses primeiros meses de 2016, foram registrados 12 vítimas de Feminicídios no estado.

Desenvolvido pela SPPM, pasta ligada à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), o NAFem é uma iniciativa inédita no Brasil. Para a vice-governadora Rose Modesto, que acompanhou o lançamento, as posições para o enfretamento da violência contra a mulher passam também pela educação. “Sou professora e percebo que ações, como a implantação do núcleo, são importantes e também vejo a educação como grande aliada levando para os meninos e meninas a importância de respeitar o outro e se respeitar”, disse.

Representante da ONU Mulher, Wania Pasinato destacou o amplo apoio que as ideias e políticas voltadas para as mulheres são abraçadas integralmente em Mato Grosso do Sul. “Em MS nós provocamos ideias e recebemos retorno. É muito bom vermos esse comprometimento e dedicação de toda a equipe do governo em prol da mulher”, parabenizou.

Conforme a subsecretaria da SPPM, Luciana Azambuja Roca, a necessidade de implantação do núcleo se deu a partir da criação da Lei do Feminicídio, devido detecção pela equipe da subsecretaria e do CEAM em apoiar ainda mais as vítimas e suas famílias. O apoio se dará por meio de um processo sócio-terapêutico permitindo a reestruturação e reabilitação dos mesmos, atendendo mulheres a partir de 16 anos e seus familiares. Uma busca ativa levantará as famílias com necessidade de atendimento, e parceiros como a Defensoria Pública, Ministério Público e Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) também apoiarão as atividades do núcleo.

Serviço

Localizado na Rua Pedro Celestino, 437, o CEAM também disponibiliza o telefone 0800 67 1236 para atendimentos e dúvidas de qualquer cidadão, no horário das 07h30 às 17h30, de segunda a sexta-feira.

Leomar Alves Rosa (Assessoria Sedhast)

Fotos: Leca