ImprensaNotícias

Propaganda enganosa: Governo promete 2 milhões de vagas para o Pronatec, mas corta pela metade orçamento do programa

banner-propagandaenganosa3 (1)Uma das principais vitrines de Dilma Rousseff durante sua campanha de reeleição à presidência da República, o Pronatec vem sendo um grande exemplo da negligência do governo do PT com a educação no país. O orçamento do programa vem sendo diminuído ano após ano. Em 2014, foram R$ 4,9 bilhões destinados ao Pronatec, número que caiu para R$ 4,6 bi em 2015 e apenas R$ 2,1 bi neste ano. O total de vagas ofertadas sofreu com as tesouradas no orçamento. Em 2014, foram 3 milhões de vagas, contra somente 1,3 milhão no ano seguinte.

Mesmo com os profundos cortes sofridos, o governo anunciou, em março, que 2 milhões de vagas serão abertas para o programa em 2016, número incompatível com a drástica redução no orçamento do Pronatec. Henrique Vale, presidente da Juventude do PSDB, acredita que a promessa para o programa, assim como muitas outras feitas por Dilma nos últimos anos, não será cumprida.

“O que a experiência nos diz é que é mais uma promessa furada. Os últimos anos, justamente de 2014 para frente, mostraram que o governo anuncia uma coisa e entrega algo bem menor. Isso mexe com as expectativas dos jovens, que querem se formar, querem ter uma vida melhor. Por má administração do governo e pela necessidade de concentrar todos os seus esforços na compra de parlamentares na realização de uma votação para tentar evitar o processo de impeachment, programas essenciais ficam todos em segundo plano”, criticou.

Os dados gerais do Pronatec mostram que aquilo que a presidente disse em 2014 também não será realizado. Durante a campanha, a petista afirmou que seu segundo mandato seria responsável pela abertura de 12 milhões de vagas para o programa até 2018, mas apenas 6,3 milhões, pouco mais da metade do número prometido, deve ser entregue, de acordo com meta estipulada pelo próprio Ministério do Planejamento, que conta inclusive com as vagas que devem ser ofertadas em 2019.

“Ela [Dilma] errou duas vezes aí. Errou no número e errou no termo, porque ela não entrega as vagas e tampouco termina o mandato em 2018. A nossa expectativa é de que o governo de sucessão, composto pela equipe que for montada, consiga efetivamente recuperar a estrutura mínima desses programas, que são tão importantes para nossa juventude”, avaliou Henrique Vale.