ImprensaNotícias

Pelo menos seis ex-ministros de Dilma votarão a favor do impeachment

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff durante reunião com o ministro de Assuntos Exteriores e do Desenvolvimento Internacional da França, Laurent Fabius, no Palácio da Alvorada (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília - A presidenta Dilma Rousseff durante reunião com o ministro de Assuntos Exteriores e do Desenvolvimento Internacional da França, Laurent Fabius, no Palácio da Alvorada (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília –  (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília (DF) – A três dias da votação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, a presidente Dilma Rousseff perde, a cada dia que passa, o apoio de mais parlamentares, inclusive de seus fiéis aliados. Conscientes de que a presença da petista no comando do país não pode mais se sustentar, pelo menos seis ex-ministros de Dilma, como a bancada do PMDB do Rio de Janeiro, vão votar pelo seu afastamento. As informações são do jornal O Globo desta quinta-feira (14).

Segundo a reportagem, o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), ex-ministro da Previdência, e o presidente do PMDB no Rio, Jorge Picciani, justificaram a decisão de votar a favor do impedimento como forma de tentar superar as atuais crises política e econômica.

Para o secretário-geral do PSDB, deputado federal Silvio Torres (SP), a mudança de posicionamento de antigos aliados da presidente mostra a fragilidade e a perda de força do governo. “Até partidos nos quais Dilma apostava para barrar o impeachment se convenceram de que o governo não pode mais comandar o país. Essa é a pá de cal em qualquer esperança que a presidente ainda poderia ter de segurar o processo na Câmara”, afirmou.

A publicação aponta que o desembarque do PMDB do Rio, que detém o maior número de deputados federais da legenda, acabou influenciando outros diretórios estaduais peemedebistas, além de outros partidos da base aliada. A expectativa é que, entre os 11 deputados, apenas dois votem contra o afastamento da petista. Do total de 68 deputados da bancada do partido nos estados, 60 são favoráveis ao impeachment.

Na avaliação do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), a notícia confirma o “convencimento geral” de que o país não tem conserto com Dilma no comando. “Chegou esse momento cívico, de cidadania, em que vemos que o Brasil precisa do impeachment. O governo do PT foi incompetente, não conseguiu debelar a corrupção. Só há uma saída democrática, que é o impedimento”, concluiu.

Ainda de acordo com o jornal, três deputados licenciados do PMDB do Rio reassumirão os mandatos para engrossar a lista a favor do afastamento de Dilma: o secretário municipal de Governo do Rio, Pedro Paulo, o secretário estadual de Esporte, Marco Antônio Cabral, e Sérgio Zveiter, secretário municipal de Habitação.