ImprensaNotícias

Os mitos de Dilma Rousseff: a oposição não conspira contra o país

Manifestacao-em-BH-Foto-Beto-Barata-ObritoNews_5-2Brasília (DF) – Mais uma mentira contada por Dilma Rousseff na tentativa de escapar do processo de impeachment e manter o seu cargo: a de que a oposição estaria conspirando contra o país. A petista alega que a oposição segue a “estratégia do ‘quanto pior melhor’”, o que ela classifica como “uma ação sistemática, antirrepublicana e antidemocrática” que busca “motivos falsos” para removê-la do cargo.

O que a presidente Dilma não diz ao povo brasileiro é que um dos maiores impactos sofridos pela população se deve à grave recessão que o Brasil enfrenta, causada pela equivocada política econômica adotada pela gestão petista, principalmente a partir de 2012. A crise econômica que devolveu milhões de brasileiros às classes C e D, aliada aos crescentes índices de inflação, desemprego, e aos escândalos de corrupção investigados pela Operação Lava Jato fizeram com que cerca de três milhões de brasileiros fossem às ruas, no último dia 13, pedir pelo impeachment de Dilma Rousseff.

Além do apelo nas ruas, a presidente Dilma também enfrenta forte oposição no Congresso Nacional. Mas, ao contrário do que o governo tenta fazer parecer, a crise política não é alimentada pela oposição, que é minoritária, e sim pela base de seu próprio governo, descontente com a atual gestão.

A edição desta semana (28/03) da revista Época destaca a falta de proatividade de Dilma Rousseff em apresentar ao Congresso projetos que ajudem a minimizar a crise econômica. A petista também não consegue aprovar o ajuste fiscal por conta da impopularidade de medidas como o aumento de impostos e a volta da CPMF.

A verdade é que, a cada dia, a presidente Dilma Rousseff perde mais força política. Enquanto algumas legendas já desertaram o bloco político de apoio à presidente no Congresso, outras tantas ensaiam um desembarque, entre elas o PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer e que possui o maior número de parlamentares eleitos.