ArtigosImprensa

“Por trás dos bebês microcéfalos, reina a miséria absoluta”, por Cláudia Collucci

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Uma das faces mais cruéis da microcefalia, além das más-formações em si, são as histórias de abandono. Primeiro, foram alguns pais que abandonaram suas parceiras tão logo os bebês com microcefalia nasceram. Agora, são mães que estão deixando seus filhos deficientes para a adoção, conforme revelou reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo” nesta segunda (29).

É triste, mas dá para entender. Muitas dessas mulheres vivem em condições precárias, já têm outros filhos, alguns deles deficientes. Em Pernambuco, Estado que concentra a maioria dos casos de microcefalia do Nordeste, 77% das 209 mães de bebês com a má-formação estão abaixo da linha extrema de pobreza, segundo levantamento da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude.

Apenas quatro delas estão recebendo o benefício dado pelo governo (Benefício de Prestação Continuada, BPC). para ajudar na criação dos bebês que nasceram com a doença. Como a linha de corte do benefício é de R$ 220 per capita, muitas famílias que ganham um pouco mais do que isso estão fora. Para corrigir a distorção, o governo estuda criar uma pensão especial para contemplar as famílias.

É justo, ainda mais se for realmente comprovada a “culpa” do zika nos casos de microcefalia. Só relembrando: nenhum estudo até agora mostrou essa relação de causa e efeito.

Se essa relação for de fato estabelecida, no campo judicial, será fácil responsabilizar o Estado pelas falhas em controlar o mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti.

Leia mais.