Artigos e EntrevistasBibliotecaImprensaNotíciassala de leiturasaúde

Surto faz quatro países da América Latina recomendarem evitar gravidez

Aedes Aegypti
Aedes Aegypti

Aedes Aegypti

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

Com o aumento de casos de microcefalia em recém-nascidos no Brasil, governos de quatro países da América Latina e do Caribe (Colômbia, El Salvador, Equador e Jamaica), onde o vírus da zika já circula, passaram a recomendar que se evite engravidar.

O Brasil, no entanto, não adota a mesma orientação. Em novembro, Cláudio Maierovitch, diretor do departamento de vigilância de doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, chegou a aconselhar as mulheres a não engravidar, mas o ministério divulgou nota logo depois negando a recomendação.

A pasta diz que “a gravidez é uma decisão pessoal” e que não adotará nenhuma medida de controle de natalidade.

Engravidar ou não é só uma das questões que enfrentam mulheres atualmente diante do avanço do vírus da zika (veja quadro com perguntas e respostas abaixo). A posição do governo divide especialistas.

“É um absurdo. Já passou da hora de o ministério fazer essa recomendação [não engravidar]. As mulheres que estão engravidando neste momento estão desesperadas”, diz o médico Artur Timerman.

Infectologista, ele conta que, em uma semana, atendeu no consultório 14 gestantes preocupadas com a zika. “Vão ficar com esse fantasma rondando até o sexto mês de gravidez [quando a microcefalia aparece no ultrassom].”

Já o também infectologista Esper Kallas, professor da USP, afirma que não cabe ao governo decidir se a mulher deve ou não engravidar. “É preciso fornecer informações para que ela tome a decisão.”

Ele pondera, por exemplo, que não adianta recomendar ou não a gravidez com base nos casos atuais de microcefalia, já que, quando aparecem, eles são uma fotografia do que ocorreu meses antes.

“É mais útil mapear a circulação do vírus em tempo real e alertar a população para os cuidados”, diz ele.

Leia a íntegra aqui.