ArtigosImprensa

“Mutirão necessário”, por Solange Jurema

Foto: George Gianni/PSDB

DSC_0128A maioria das unidades da Federação realiza, neste final de ano, mais uma jornada da “Semana da Justiça pela Paz em Casa”, iniciativa da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), com a participação do Ministério Público e do Judiciário de cada estado e do Distrito Federal.

É uma ação necessária e indispensável, especialmente no final do ano, época em que, segundo especialistas e policiais, aumenta o número de agressões à mulher por conta da embriaguez, mais acentuada nas festividades natalinas.

É a terceira iniciativa do ano, que acontece nesta semana em alguns estados e mostra a crescente conscientização das autoridades judiciais com o julgamento de assassinatos de mulheres em todo o país e com o surgimento da Lei Maria da Penha, já conhecida por 90% da população brasileira.

O aumento dessa conscientização, no entanto, não evita episódios inusitados, como o que ocorreu em Brasília, em que uma mulher foi alcoolizada e estuprada por dois conhecidos, – um deles menor de idade – e foi detida assim que prestou queixa na Delegacia da Criança e Adolescente, pois dirigiu embriagada até o posto policial.

Pegando o exemplo de Brasilia, capital da República e com os melhores indicadores de qualidade de vida, saúde, educação e infraestrutura, percebemos o quanto ainda temos que conscientizar os agentes do Poder Público.

Nunca se pode esquecer que o país ocupa o vergonhoso quinto lugar no ranking dos países que mais cometem crimes contra mulheres, entre 83 nações listadas, atrás apenas da Rússia, Guatemala, Colômbia e El Salvador.

Nosso número é de 4,8 assassinatos a cada 100 mil mulheres por ano!

No Brasil inteiro, no ano passado, foram gerados 306 mil inquéritos policiais para apurar tentativas de assassinatos ou mortes de mulheres.

No país, a cada ano, cerca de 6 mil mulheres são assassinadas, a maioria delas por companheiros, ex-companheiros e familiares. Um terço dos casos ocorre na própria casa da vítima.

A média é de 500 por mês, 16 por dia e uma morte a cada hora!

É um escândalo nacional!

E, para combatê-lo, o Estado brasileiro precisa de mais mutirões como os da “Semana da Justiça pela Paz em Casa”, que punirão com maior celeridade os feminicidas que rondam as mulheres em todo o território nacional.

Mais Justiça para as mulheres!