ImprensaNotícias

PSDB Mulher Nacional encerra semana com Reunião Ampliada em São Paulo

Thelma,-Solange-e-Nancy--Destaque-de-13O PSDB Mulher Nacional marcou sua primeira Reunião Ampliada de 2015 para a mesma semana em que realizou o Seminário de Gênero: Bandeiras Eleitorais em São Paulo, como o fecho de ouro de três dias de intenso debate das questões femininas dentro e fora do partido.

O evento foi realizado na manhã desta sexta-feira (13), no Hotel Transamérica, com a presença de 50 mulheres. Integrando a mesa a presidente nacional, Solange Jurema, as vice-presidentes Nancy Thame e Thelma de Oliveira, a 1ª secretária Eliana Piola e a presidente de honra e ex-governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius.

Na abertura dos trabalhos, Solange falou sobre a oportunidade de unir a reunião com o curso da Kas e salientou que o momento de falar sobre a mulher é o agora, em plena “Primavera das Mulheres”.

Na condução dos trabalhos, sugeriu que o melhor seria dividir a Executiva em grupos para que pudessem debater as bandeiras trabalhadas nos últimos dois dias.

“Temos que pensar na melhor maneira de chegar às nossas melhores lideranças e ajuda-las. Como fazer isso? Como levar a essas mulheres, às vezes tão distantes, temas que detectamos nos últimos dias serem tão importantes ao universo feminino? Isso é o que vamos discutir hoje”, disse Solange Jurema.

A presidente tucana lembrou que a transmissão de tanto conhecimento acumulado talvez seja mais bem transmitida por meio de cursos ou vivências, ministradas pelas mulheres presentes, em seus estados e municípios de origem. E abriu espaço para apartes.

“Os homens precisam entender que cada voto feminino é para o PSDB também. Não somos inimigas deles, durante as eleições, e sim parceiras”, disse Lenita Noman, do PSDB Mulher MG.

Mulheres morrem de Norte a Sul

Após intervenções de Judite Botafogo e Lenita Noman, Eliana Piola pediu a palavra dizendo que a violência contra a mulher não deve sair de discussão, “esse é um tema que não vai sair de pauta porque aumenta a cada dia, de maneira preocupante. Os índices estão aí. Todos os temas abordados no curso foram muito relevantes, mas a violência doméstica contra a mulher, específica, não pode ser ignorada”.

“Políticas públicas de enfrentamento à violência são tão importante quanto às de enfrentamento ao agressor, senão estaremos enxugando gelo”: aparteou Flávia Cruvinel, vice-presidente do PSDB Mulher de Goiânia.

Eliana Piola exemplificou: “Mobilidade urbana, para cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, por exemplo, é um tema da maior relevância, mas para a mulher que apanha de chicote na cidade de dez mil habitantes onde o marido ainda usa carroça, talvez a violência doméstica seja ainda mais importante. As mulheres apanham e morrem de Norte a Sul do Brasil”.

Mulheres fortes para o momento certo

Em sua vez de falar, Thelma de Oliveira foi direta: “Chegou o momento de ampliar do PSDB Mulher na representação parlamentar, de termos as melhores mulheres. Infelizmente o que Lenita falou é verdadeiro: os homens nos veem como inimigas e não adianta sermos boazinhas, eles não vão mudar e só nos respeitarão se lutarmos por um lugar.

As nossas tucanas precisam se capacitar e devemos buscar o apoio dos presidentes de nossos partidos. Gente somos tão felizardas que temos uma mulher como Solange para comandar esse processo, isso nos dará força para enfrentar essa batalha para conquistar nosso espaço de direito dentro do partido. Mulheres fortes para isso não nos faltam, a exemplo dessa que está entrando agora, nossa querida Yeda Crusius, que enfrentou e venceu tantas lutas, inclusive agora, sem jamais se vergar”, encerrou sob aplausos.

Autonomia e respeito próprio

Solange Jurema pede licença para ler em voz alta a Resolução Nº 5 de 2015, prorrogando o prazo de eleições dos Secretariados que não puderam fazê-lo no prazo esperado em função de situações específicas. Apesar de esperado, o documento foi recebido com alívio e falas emocionadas.

“Temos um Secretariado Nacional que administra 27 estados, que trabalha para o PSDB, no estatuto não havia até hoje uma resolução que esclarecesse o que deveria acontecer conosco, caso um presidente local decidisse colocar no segmento feminino pessoas de sua confiança, não necessariamente ligadas ao movimento?”, indaga Sandra Quezado, presidente do PSDB Mulher DF.

“Ou respeitam a autonomia do PSDB Mulher e a liderança de nossa presidente Solange Jurema, ou estamos aqui fazendo um papel desnecessário. É preciso respeitar o Secretariado da Mulher/PSDB”, protesta Sandra Quezado.

Foto: Assessoria do PSDB Mulher AL

Foto: Assessoria do PSDB Mulher AL

Vivendo e aprendendo a jogar

Yeda Crusius pediu a palavra para propor o adiamento da questão para depois do trabalho dos grupos e que, ao final da reunião, seja elaborada uma moção de repúdio ao tratamento dado aos segmentos ligados às lideranças femininas históricas do PSDB.

“Façamos o jogo dos homens, eles gostam de documentos, elaboremos um. Isso não é um caso apenas, é uma linha, uma orientação e é preciso alertar a Nacional e dizer. Olhe Aécio, o que está acontecendo desestrutura o PSDB”, encerrou a ex-governadora.

“Jogo político, sim, mas com legalidade e precisamos nos unir com um olhar de malícia, porque existem armadilhas além do legal”, alertou Nancy Thame para encerrar a questão.

Grupos

Divididas em cinco grupos, as integrantes da Executiva debateram por uma hora as bandeiras mais relevantes e trouxeram ao grupo sugestões que irão enriquecer unir e fortalecer ainda mais os elos entre tucanas de formações e proveniências tão diversas. Uma lição primal, aprendida à custa de muito sofrer, já foi assimilada por todas: juntas, somos invencíveis.

O resultado dos debates dos grupos será, oportunamente, divulgado em forma de cartilhas, para que todas as tucanas possam ser beneficiadas com seu conteúdo. Afinal, como gosta de dizer Solange Jurema; conhecimento compartilhado transforma comunidades.

Educação, Formação e Cidadania

Participantes: Eliana Rodrigues – MS; Judite Botafogo – PE; Lenita Noman – MG; Benedita Alves – PA; Regina Norma – AC e Cecília Otto – AM

A oradora Judite Botafogo divulgou o resultado final dos debates. “Nosso grupo avaliou que a temática mais sacrificada foi a educação, o tema é vasto demais. Chegamos à conclusão que o tema merece um seminário exclusivo, porque discutir a educação de São Paulo com a de Alagoas ou Pernambuco, por exemplo, provoca uma discrepância muito grande. Tudo passa pela educação.

O que levaremos como bandeira? Educação integrada, um trabalho realizado em rede com as outras Secretarias. Não adianta falar em Meio Ambiente sem falar em Educação. Quando vemos japoneses, depois de um jogo de futebol, cada um com seu saquinho plástico, limparem um estádio inteiro, vemos que nossas escolas estão falhando em educar nosso povo”.

Incentivar a educação de mulheres em todos os espaços disponíveis: escolas, ONGs, igrejas, seja onde for. Principalmente nas cidades pequenas. Qualificar meninas e mulheres é ajuda-las a alcançar autonomia financeira. A criação de creches também foi citada como meio de incentivo à educação, ao mesmo tempo em que libera as mães para que estudem e trabalhem.

Cursos profissionalizantes, incluindo aí cursos de cabelereiro, corte e costura e artesanato, que ajudem a aumentar a renda das mulheres que não podem trabalhar fora por não terem com quem deixar seus filhos. Assim como de inclusão digital, para que possam ter acesso a cursos não presenciais a trabalhos online.

Precisamos promover ações permanentes que fortaleçam a consciência cidadã, desenvolvendo o enfrentamento à violência contra a mulher, a conscientização do problema das drogas, da gravidez adolescente e noções de cidadania precoce, já na primeira infância, que despertem nas crianças valores morais que estão esquecidos, para que aprendam o quanto antes a distinguir o que é certo e errado.

Empreendedorismo

Participantes: Sonia Fernandes – MG; Fernanda e Kátia Maciel – RN; Sonaly Bastos – AL; Sofia – PA; Madalena – ES; Srta. Jimmy – CE; Rosangela – RO.

Srta, Jimmy, a oradora escolhida, avisa que estamos passando por um momento de crise, em que se está apelando para o “trabalho de bico”. O Brasil é o país mais caro para se empreender, em que ser formal fica a cada dia mais caro.

Sonia Fernandes assumiu a palavra para citar a dona de casa que tem três filhos em casa, não pode trabalhar e faz doces e salgados em casa para complementar a renda. Esse é o perfil da mulher que precisa do Economia Solidária e está desassistido. Essa dona de casa é importante porque, enquanto incrementa sua renda, também serve de exemplo e incentivo aos filhos.

A função do governo é servir de capacitação, a nossa é servir de formação de grupos de economia solidária que ajudem a formar essas pessoas.

Meio Ambiente, Mobilidade Urbana e Habitação

Participantes: Angela Sarquiz – RS; Cinthia Ribeiro – TO; Socorro Lima – AM;  Sara Caporossi – AM e Regina Peu – TO

“Aquilo que às vezes é mobilidade urbana e atende o Tocantins, não atende em sua totalidade o Amazonas”, comenta Cinthia Ribeira, sobre sua experiência no trabalho das redes.

O grupo considerou urgente a conscientização de que meio ambiente é tudo o que nos rodeia, não apenas o Ártico que derrete. Todo o necessário para sua preservação passa por educar desde cedo e o quanto antes a população, já que o problema é urgente.

Saneamento e preservação também foram citados como formas de melhoria ambiental que podem ser alcançados através da educação e do esforço das comunidades, estudando localmente a melhor solução. Cidades com pouco vento adotando energia solar, por exemplo.

O cuidado com saneamento e a correta destinação do lixo – a lei dos resíduos sólidos venceu há dois anos -, e a utilização de recursos hídricos com responsabilidade, unem estreitamente visão ambiental e habitação urbana e são preocupações das tucanas.

Mulher, Política e Conjuntura Atual

Participantes: Euda Oliveira – MT; Iraê Lucena – PB; Adriana Toledo – AL; Mara Lima – PR; Flávia Cruvinel – GO; Sebastiana Azevedo – RJ e Gilda Penha – SC

O maior compromisso do grupo, em sintonia com a campanha #RumoAos50%, é aumentar a participação parlamentar para 30% em todos os níveis, queremos construir uma cartilha que conscientize as mulheres na política sobre  importância de sua participação.

Na conjuntura atual, achamos que as tucanas precisam assumir seu papel no combate à corrupção em meio ao clima de descrença em que se encontra a população brasileira. Preocupa-nos muito que os brasileiros estejam negando instituições e líderes, colocando em risco a democracia.

Saúde da Mulher

Participantes: Terezinha Ramos – PR; Dra. Sílvia Távora – RR; Fátima Guimarães – SP e Grace Vahle Franco – SE

No trabalho do grupo, falta de ordem e organização no SUS para esclarecer e orientar as mulheres, para detecção precoce. Considerar os recortes de raça, etnia e deficiência – muitas mulheres portadoras de deficiência são tratadas nos postos de saúde como se não precisassem de anticoncepcionais, por exemplo.

A construção de uma cartilha que trate de todos os direitos da saúde da mulher, contemplando projetos que estão funcionando bem em determinado estado e possam ser aproveitados nos demais, foi uma das sugestões do grupo, extremamente valiosa.

Na saída da reunião, já a caminho do aeroporto, Angela Sarquiz, presidente do PSDB Mulher RS, comentou sobre seu grupo: “Escassez hídrica, preservação, conservação e uso consciente de nossos recursos naturais são metas que estão no futuro da Humanidade e nós, tucanas, olhamos sempre nessa direção”.

 

Leia a íntegra da Resolução Nº 5

 

 

RESOLUÇÃO Nº 5 DE 2015

 

Autoriza a realização de eleições nos prazos indicados pelos Secretariados Estaduais do PSDB-Mulher que ainda não finalizaram o processo eleitoral 2015 nos termos da Resolução nº 3 de 2015.

 

Considerando que alguns Secretariados Estaduais do PSDB-Mulher não puderam fazer suas eleições, em virtude da não realização de Convenções dos respectivos Diretórios Estaduais do PSDB;

Considerando a Resolução nº 3 de 2015 do PSDB-Mulher que determinou a realização das eleições dos Secretariados da Mulher no período de 1º a 15 de novembro de 2015, independemente das Convenções;

Considerando que os Secretariados Estaduais (RJ/RS/SE/ES/DF) solicitaram, justificadamente, a prorrogação desse prazo, inclusive com sugestões razoáveis de data mais conveniente para cada Estado;

Considerando que é extremamente importante que os Secretariados Estaduais do PSDB-Mulher estejam todos organizados para darmos sequência às ações programadas para o biênio 2015/2017, RESOLVO

Art. 1º Deferir o pedido de prorrogação de cada Secretariado, nos termos da documentação apresentada, observando-se as demais orientações da Resolução nº 3/15;

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor nesta data.

 

Brasília, 9 de novembro de 2015

assinatura solange

 

SOLANGE JUREMA

Presidente do Secretariado Nacional do PSDB-Mulher