BibliotecaeconomiaImprensaNotícias

Com a estiagem e dólar mais forte, preços do alimentos tiveram alta de até 68% nos últimos 12 meses

12234989_769135449879539_2154150071470832978_nA falta de chuvas ao longo do ano e a alta do dólar contribuíram para o aumento de preços de alimentos, como a batata inglesa e o filé mignon, que subiram até 68% nos últimos 12 meses.

Nos doze meses encerrados em outubro, os alimentos subiram 10,39%, superando os 9,93% da inflação medida pelo IPCA. No Rio de Janeiro, a alta  foi de 9,81%. Especialistas dizem que os aumentos devem continuar.

A taxa perto dos 10% é uma média, mas muitos produtos tiveram reajustes bem mais expressivos. No mesmo período, o valor do alho avançou 59,38% e a cebola, de 29,30%.
As informações são do jornal “O Globo”, desta terça-feira (10).

Em entrevista, a  técnica do Ipea Maria Andréia Parente, do Grupo de Análises e Previsões, considera que foi um ano de aumento principalmente dos produtos in natura. O ano foi de estiagem. Todo ano é assim, mas a intensidade este ano parece ter sido maior.A alta do dólar também refletiu, encarecendo itens que dependem do trigo importado, como pão francês, que ficou 8,73% mais caro no Rio, macarrão, que subiu 11,54%, e biscoito, 7,75%.

E como acaba tornando os produtos brasileiros mais competitivos lá fora, incentivando as exportações, por outro lado, reduz a oferta desses itens no mercado nacional, pressionando os preços. Foi o que aconteceu, por exemplo, com as carnes, que ficaram 20,91% mais caras no Rio e 17,16% no país.