ImprensaNotícias

Pesquisa CNI/Ibope: sem refresco para Dilma Rousseff

S
Sem credibilidade, CNI/Ibope mostra que 77% dos brasileiros não confia em Dilma Rousseff

Sem credibilidade, CNI/Ibope mostra que 77% dos brasileiros não confia em Dilma Rousseff

Brasília (DF) – Pesquisa CNI-Ibope divulgada nesta quarta-feira (30) mostra que, embora os números de reprovação a Dilma Rousseff e a seu governo tenham se mantido dentro da margem de erro de dois pontos percentuais, oscilando até positivamente, não há qualquer motivo para comemoração no Palácio do Planalto.

A presidente pior avaliada pelos brasileiros desde o fim da ditadura militar continua em queda livre em todos os índices que realmente importam, quando se trata de projetar o humor dos pesquisados para um futuro próximo.

Dilma Rousseff destruiu a confiança que nela depositaram milhares de brasileiros em outubro de 2014. Atualmente 62% de seus eleitores deixaram de acreditar em suas palavras, 52% acham seu governo péssimo e apenas 11% esperam que melhore daqui para frente. Como sair de um quadro desses?

O humor sombrio dos entrevistados atinge todas as áreas em que o governo vai mal e deve piorar, pelas trapalhadas em que se meteu nos últimos tempos, as decisões equivocadas que tomou no primeiro governo e a pesada herança dos governos Lula.  Desaprova a administração Dilma Rousseff em questões graves uma parcela expressiva da população. Sem uma mudança de rumo – sempre prometida e jamais efetuada – o que está ruim tende a piorar, muito.

Desaprovam o modo como o governo Dilma Rousseff lida com:

Saúde: 84%

Desemprego: 83%

Educação: 73%

Inflação: 83%

Impostos: 90%

Segurança: 82%

Combate à fome e pobreza (programas sociais): 68%

Meio Ambiente: 65%

Taxa de Juros: 89%

Considerando que a pesquisa foi feita entre os dias 18 e 21 de setembro, antes da divulgação do último aumento da gasolina, do corte dos repasses para o programa “Aqui Tem Farmácia Popular” e do corte de quase 1 milhão de vagas no mercado de trabalho em um ano, os próximos números devem vir mais baixos. Um caso cada vez mais comum de pesquisa que já nasce velha.

Clique AQUI para ler a íntegra da pesquisa CNI-Ibope