ImprensaNotícias

PSDB-Mulher Nacional entrega Medalha Ruth Cardoso 2015 no dia 4 de julho

Brasília (DF) – A premiação, bienal, tem como objetivo homenagear mulheres e entidades que colaboraram para a criação ou implementação de ações e programas de promoção social, econômica, política e cultural, em prol da defesa dos direitos femininos, no combate à discriminação e às desigualdades de gênero. A entrega das medalhas vai acontecer no auditório do Hotel San Marco, às 19h do dia 04 de julho.

Confira abaixo o perfil das mulheres e entidades:

Jussara Meguerian, fundadora da FALE, entre Luciana Loureiro e Sandra Quezado, do PSDB-Mulher, na horta comunitária

Jussara Meguerian, fundadora da FALE, entre Luciana Loureiro e Sandra Quezado, do PSDB-Mulher, na horta comunitária

Fraternidade Assistencial Lucas Evangelista (FALE) – Entidade sem fins lucrativos, fundada em 1990 em Uberlândia/MG, a FALE veio para Brasília em 1994.

Dedicada à assistência emocional, educacional e material às pessoas que vivem com o vírus HIV/AIDS ou doenças incuráveis e seus familiares, abriga atualmente 180 internos, entre adultos e crianças.

Fruto da iniciativa de Jussara Meguerian, a FALE sobrevive exclusivamente de doações e da ajuda de voluntários. Até as 32 casas que abrigam as famílias dos 180 internos foram construídas em regime de mutirão, com material de segunda-mão. Do Estado, a instituição recebe apenas os medicamentos que compõem o coquetel antiviral de combate à AIDS.

O resto do muito que os moradores da instituição precisam é garantido por doações, empenho e muito carinho, temperado pela disciplina de Jussara, que conta, orgulhosa, ter conseguido diminuir a transmissão mãe/filho com medidas simples, como evitar que portadoras amamentem seus filhos recém-nascidos.


Fátima Jordão

Fátima Jordão

Fátima Jordão – Socióloga, fundadora e conselheira do Instituto Patrícia Galvão, Fátima Jordão é assessora de pesquisa da TV Cultura. Feminista e pensadora da realidade feminina no mundo, Fátima é parceira constante do PSDB-Mulher Nacional, em nossas palestras e cursos de conscientização e formação de novas lideranças, nos quais participa com sua lúcida visão de mulher isenta e apartidária, preocupada com os rumos e desafios do universo feminino.

Onde houver no mundo uma mulher em sofrimento, lá se ouvirá a voz de Fátima Jordão nos cobrando atenção e solidariedade para com ela. Em qualquer situação, contra qualquer tipo de discriminação, crime, violência contra mulheres e minorias, ela estará alinhada.

Fátima Jordão é especialista em pesquisas de opinião. Coordenou o estudo que resultou no livro Sintonia Jovem: O que pensam e desejam os jovens brasileiros (Cultura Data, 2008).


Foto: Solange Jurema e Felix Dane/KAS

Foto: Solange Jurema e Felix Dane/KAS

Fundação Konrad Adenauer  (KAS)– Fundação política alemã que tem como diretrizes de trabalho as palavras “democracia, paz e justiça”, a KAS desenvolve programas inspirados nos valores do partido político CDU, União Democrata Cristã da Alemanha, em parcerias no mundo inteiro.

Engajada no propósito de um mundo em que os homens possam viver em liberdade e dignamente, a Fundação Konrad Adenauer coloca seus mais de 80 escritórios a serviço de projetos que incentivem pessoas a participar da construção de um futuro nesse sentido.

No Brasil desde 1969, a KAS rapidamente se tornou parceira preferencial do PSDB-Mulher Nacional na promoção de cursos de formação política, de discussão da realidade nacional, de um país melhor. Em cursos de cidadania e incentivo à maior participação das mulheres da política;  “forma segura de fortalecer a democracia”, como explicou seu representante no Brasil durante os últimos três anos, Felix Dane, que receberá a Medalha Ruth Cardoso  em nome da fundação.

Porque é isso o que a KAS faz: estimula a pensar em como alcançar um mundo mais digno, mais justo e democrata. Um mundo em que sociedades igualitárias não sejam uma utopia, um mundo que tem tudo a ver com o que o PSDB-Mulher quer para o futuro do Brasil.


Irmã Benedita Loz entre Lucyleia Marinho e Valéria Simonetti Marinho, vice-presidentes do PSDB-Mulher RN

Irmã Benedita Loz entre Lucyleia Marinho e Valéria Simonetti Marinho, vice-presidentes do PSDB-Mulher RN

Irmã Benedita Loz dos Santos – Nascida em 1955, Irmã Benedita é alagoana e pedagoga, especializada em gestão e organização escolar. Apaixonada pelo que faz é totalmente dedicada ao trabalho com crianças e adolescentes. Seu projeto de vida, desenvolvido em diversos estados nordestinos como Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, beneficia as mulheres, por cuidar de seus filhos enquanto elas trabalham ou estudam, buscando melhor formação profissional.

Atualmente Irmã Benedita desenvolve sua missão na Escola Ambulatório Padre João Maria/Casa da Criança, instituição filantrópica existente em Natal/RN há 68 anos, com a finalidade de acolher crianças carentes na educação infantil, na faixa etária de 02 a 05 anos.

Criteriosa, Irmã Benedita, mais do que educar, orienta meninas e meninos na condução de suas vidas e no comprometimento com a criação de suas futuras famílias. A casa sob a direção dela educa cerca de duzentas crianças em tempo integral.


Irmã Inês de Barros Lima – Alagoana de Quebrangulo, Irmã Inês trabalha há 67 anos servindo aos mais carentes e necessitados, no Brasil e na França, onde estudou em 1965 e para onde voltou em 1980. Aqui no país, seu trabalho se concentra mais em Fortaleza/CE, onde vive atualmente e implantou os dois projetos que a habilitaram a receber o prêmio Medalha Ruth Cardoso 2015.

O primeiro deles, fundado em 2000, chama-se Projeto Globalização da Caridade e fica no Refeitório São Vicente, em Benfica, que funciona de segunda a segunda e atende, diariamente, 130 pessoas. Seu objetivo é promover a inserção social de pessoas de ambos os sexos em situação de rua, através da qualificação profissional por meio de cursos e palestras educativas. O Globalização da Caridade oferece, ainda, almoço diário, encaminhamento a unidades de saúde, missas mensais, encaminhamentos para promotorias em casos jurídicos e atualização de documentos civis.

Em 2009 Irmã Inês fundou a expansão do Refeitório São Vicente; o Projeto Novos Céus, Nova Terra, que acolhe 20 jovens do sexo masculino dependentes de droga por um período de 08 meses, durante os quais os ajuda a se libertar do vício, desenvolvendo estratégias que vão da atenção amorosa e acolhedora ao atendimento médico psiquiátrico e psicológico, para posterior reinserção dos abrigados na sociedade e no mercado de trabalho.


Joeci Machado Camargo – Nascida em Londrina em 1955, Joeci é desembargadora do Tribunal de Justiça do Paraná. Idealizadora do Programa Justiça no Bairro, que leva atendimento jurídico gratuito à população de baixa renda, atualmente em sua 10ª edição e uma estimativa de 20 mil atendimentos na edição anterior.

Além da Justiça Estadual, o Justiça no Bairro envolve também a Prefeitura, entidades privadas, advogados voluntários, acadêmicos de Direito e outros parceiros. Para ser atendido, o postulante precisa apenas comprovar renda máxima de três salários mínimos mensais.

O benefício que a iniciativa de Joeci Camargo traz para a comunidade é evidente, não só pelos serviços de reconhecimento de maternidade e paternidade; processos de divórcio, pensão alimentícia, guarda e responsabilidade; regulamentação de visitas; suprimento de idade para casar; retificação de registro civil; casamento coletivo ou emissão de carteiras de identidade e CPF.
O projeto Justiça no Bairro leva cidadania e dignidade a quem não tem acesso ao atendimento jurídico em seu cotidiano. Por isso mesmo, já venceu a terceira edição do Prêmio Conciliar é Legal do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ganhou a Prêmio Dignidade Solidária 2004, promovido pelo Centro Paranaense de Cidadania – CEPAC.


Juíza Luislinda de Valois

Juíza Luislinda de Valois

Luislinda Dias de Valois Santos – Nascida na Bahia, é a primeira mulher negra a se tornar juíza no Brasil. A conquista é apenas uma das que a magistrada baiana garantiu ao longo de sua expressiva carreira no Judiciário.

Aos 73 anos de idade e com 26 anos de magistratura, Luislinda já foi homenageada e premiada em diversas esferas públicas do país e no exterior pelos seus importantes projetos de inclusão e acesso à Justiça desenvolvidos nas comarcas por onde passou.

Em 2009, lançou seu primeiro livro – O Negro no Século XXI – que traz importantes análises acerca do processo histórico que desencadeou a desigualdade racial e social no Brasil. Luislinda Valois é também idealizadora dos Balcões de Justiça e Cidadania, do Juizado Itinerante Marítimo Baía de Todos os Santos e da Justiça Bairro a Bairro, criados com objetivo de ampliar o acesso da população carente aos serviços judiciários.