ImprensaNotícias

PSDB Mulher adere ao manifesto “Por uma reforma que garanta mais mulheres no Parlamento”

Foto: Soares Netto/ Fiesp
Foto: Soares Netto/Fiesp

Foto: Soares Netto/Fiesp

Nesta quinta-feira (26/03) o PSDB-Mulher participou do ato para lançamento da campanha Mais Mulheres na Política, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP –  que teve a presença de representantes dos secretariados da mulher de diferentes partidos políticos, de parlamentares estaduais e federais, de mulheres que atuam na política municipal e em movimentos da sociedade civil. Convidados, os presidentes da Câmara Federal, Eduardo Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros compareceram e ouviram o manifesto lido em coro por todas as presentes, pedindo garantia dos 30% de cadeiras nos parlamentos para as mulheres, fazendo valer a cota legal na prática.

Atualmente ocupamos 10% disso na Câmara e 16% no Senado, é preciso mais, os partidos nos quais atuamos devem acolher esta causa pela igualdade que afirma a democracia”, argumentou a presidente do PSDB-Mulher SP, Nancy Ferruzzi Thame.

Ao aceitar o convite da senadora Marta Suplicy, a presidente Nacional do PSDB-Mulher, Solange Jurema disse que esta é uma bandeira suprapartidária. “Se não unirmos, não vamos avançar na defesa dos direitos da mulher, causa de todas nós e da sociedade”, afirmou.

Na mesa composta, entre outras, pela senadora Vanessa Grazziotin e os dois presidentes do Congresso Nacional, estava a atriz e escritora Maitê Proença, que discursou contra a violência que afeta a vida das mulheres e das famílias brasileiras, e também defendeu a igualdade de gêneros no mercado de trabalho, com oportunidades e remuneração equiparadas. A atriz, assim como suas pares o fizeram na cerimônia do Oscar, empolgou a plateia feminista.

As reivindicações feitas pelo manifesto pedem os 30%, não importando o regime político que se estabeleça, para que se caminhe na direção da paridade. A campanha que veiculará na mídia nacional também pede mudanças na destinação do Fundo Partidário e que os partidos direcionem 30% dos recursos para o financiamento de campanhas eleitorais femininas, percentual que segundo a senadora Marta Suplicy, é de 5% atualmente.

As senadoras e deputadas têm trabalhado numa pauta suprapartidária sobre a reforma política e, destes encontros, dois encaminhamentos foram divulgados: a proposta de Emenda à Constituição do Senado (PECs) 23 e 24, da senadora Vanessa Grazziotin e da senadora Marta Suplicy, respectivamente. Ambas são subscritas por uma lista de senadores e se somam a matérias da Câmara dos Deputados em discussão na Comissão Especial da Reforma Política, por meio de emendas que garantem um percentual de reserva de vagas para as mulheres, assim como ao manifesto “Por uma reforma que garanta mais mulheres no Parlamento”.

Mulheres paulistas em ação

Em São Paulo, o grupo Mulheres da Base, formado pelos secretariados da Mulher dos partidos que compõem a base aliada do Governo do Estado já avançou sobre uma meta: entregar as diretrizes para políticas de gênero no estado ao governador Geraldo Alckmin. As representantes feministas dos partidos da base aliada foram recebidas pelo governador em dezembro último e, depois deste encontro receberam dele a demanda por um documento com as prioridades para esta finalidade. “Estamos muito satisfeitas com esta aproximação e sentimos que, por São Paulo ser um estado pioneiro no debate e na atuação sobre políticas de gênero, tem de fazer esta bandeira ser de todas e transformá-la em ações afirmativas”, comemorou a presidente estadual do Secretariado da Mulher, Nancy Ferruzzi Thame. 

No âmbito nacional, o PSDB-Mulher havia aberto este caminho ao entregar as diretrizes para o então candidato à presidência da República, Aécio Neves, em maio de 2014. Durante toda a campanha, Aécio esteve com o segmento de mulheres não somente nas ruas, mas nos bastidores estratégicos. “O Brasil tem mais da metade de eleitores mulheres, precisamos ser igualmente representadas no Congresso e ter o apoio dos homens que defendem essa igualdade para que a ideia se propague”, disse a presidente Nacional, Solange Jurema.

*Fonte: Assessoria do PSDB-Mulher SP